Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

Nova classe média vai à faculdade e ganha mais dos que os pais

Pesquisa mostra que a nova classe C têm mais amigos e conhece mais os vizinhos que a elite, acessa a internet e já é maioria nas redes sociais

Claudia Facchini, iG São Paulo |

Um estudo feito pela consultoria Data Popular, especializada nas classes C e D, mostra que 63% das pessoas matriculadas em faculdades no País já são desse extrato social, que a empresa denomina de nova classe média. Mais da metade dos indivíduos dessa camada social, ou 51% deles, aspira ter seu próprio negócio e 68% dos jovens ganham mais que os pais.

Getty Images
Mulheres controlam orçamento e tomam decisões sobre a família
Leia também: Reajuste de 14% do mínimo em janeiro deve prolongar o Natal

“O otimismo é uma marca forte da nova classe média. Para essas pessoas, crise não é exceção, é regra”, afirma Renato Meirelles, consultor da Data Popular, que apresentou um estudo na quinta-feira, durante evento realizado no CEU (Centro Educacional Unificado) na favela de Paraisópolis, em São Paulo. Em 2012, a Data Popular vai realizar o 1º Fórum Novo Brasil, sobre a nova classe média brasileira.

Fazem parte da nova classe média pessoas com renda per capita entre R$ 323 e R$ 1.385 por mês e renda média familiar de R$ 2.295.

Quando comparados à elite econômica do País, as pesquisas também mostraram que os indivíduos da nova classe média conhecem bem mais os seus vizinhos e têm mais amigos. Isso porque as pessoas de renda mais baixa tendem a emprestar, dividir e trocar mais coisas, diz Meirelles. Enquanto 66% das pessoas da nova classe média se relacionam com vizinhos, na elite, essa taxa é de 21%, afirma o consultor.

Leia também: Entenda o conceito de classe média

As mulheres e os negros foram aqueles que registraram os maiores ganhos salariais entre 2001 e 2011. No caso das mulheres, esse crescimento foi de 71, contra 43% para os homens. No caso dos negros, o salário recebido por eles aumentou 105%, versus 27,8% para os não negros.

O levantamento também mostrou que entre os jovens de 18 e 35 da nova classe média, faixa que atingirá o seu ápice financeiro nos dez próximos, 85% acessam a internet todos os dias e seis em cada 10 pessoas já acessaram a internet pelo celular. “A nova classe média também já invadiu as redes sociais. Eles já são 56% do Orkut, 57% do Facebook e 55,3% do Twitter”, afirma Meirelles.

“Esses jovens da nova classe média não sabem o que é inflação, nem ditadura”, afirma consultor. As pesquisas da Data Popular servem como subsídio para as empresas na formulação de suas estratégias de marketing e planejamento estratégico.

Veja algumas conclusões das pesquisas sobre a nova classe média:

. 66% se relacionam com vizinhos, enquanto, na elite, essa taxa é de 21%
. 62% valorizam os produtos brasileiros, enquanto, na elite, essa taxa é de 25%.
. 80% pesquisam preços, enquanto, na elite, esse percentual é de 44%
. Para 44%, a qualidade é mais importante que o preço na hora de efetuar uma compra.
. 80% são otimistas em relação ao futuro, enquanto, na elite, esse percntual é de 59%.
. Entre os otimistas, 65% querem abrir um negócio próprio.
. 51% querem ter o seu próprio negócio.
. Um das maiores conquistas: garantir um futuro melhor para os filhos.
. As mulheres registram um aumento de renda de 71% entre 2001 e 2011
. Os negros registram um aumento de renda de 105% entre 2001 e 2011
. 89% dos homens reconhecem que é a mulher quem cuida da alimentação em casa.
. 68% dos homens afirmam que as mulheres decidem sobre a gestão do orçamento doméstico
. 75% dos homens afirmam que as mulheres tomam as decisões sobre saúde em casa.
. 68% dos jovens ganham mais que os pais.
. Crenças: 39% dos jovens da nova classe média disseram acreditar em astrologia, contra 49% dos jovens das classes A e B; 34% acreditam em alma gêmea, contra 47% das classes A e B e 13% acreditam em ETs, contra 37% das classes A e B. 

Leia também:

Mais design para a classe C

Mulheres de primeira classe

Leia tudo sobre: classe Cclasse médiapequisaconsumorendaeducaçãoensinonegrosmulheresinternet

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG