Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

Jogos de tabuleiro da Estrela ganharão versão online até 2011

Empresa lançará Banco Imobiliário, Jogo da Vida e Detetive, entre outros, em modelo digital e descarta parcerias com rede sociais

Daniela Barbosa, iG São Paulo |

Os fanáticos pelos jogos de tabuleiros mais tradicionais da década de 70 e 80, como Jogo da Vida, Banco Imobiliário, Detetive e Combate, terão a partir do ano que vem a chance de se divertir com esses mesmos jogos no ambiente online. A Estrela, dona de todos eles, planeja em no máximo 12 meses lançar seus jogos de tabuleiro na versão digital.

Divulgação
Banco Imobiliário, líder de vendas dos jogos de tabuleiro da Estrela, ganhará versão digital de todos os seus modelos

Neste momento, a companhia ainda estuda a melhor forma de oferecer os jogos aos internautas, mas já está descartada a alternativa de firmar parcerias com redes sociais, como Orkut e Facebook. “Acho mais fácil fecharmos acordos com provedores de internet ou deixarmos os jogos disponíveis no próprio site da empresa”, disse Carlos Tilkian, presidente da Estrela.

Mesmo lançando as versões online de seus jogos, a companhia não planeja parar de fabricar nenhum deles e não teme também que um possa canibalizar o negócio do outro. Segundo Tilkian, cada modelo terá a sua importância. Na internet, os jogos terão o papel de aproximar pessoas de todo o mundo para uma disputa. Já o jogo físico continuará tendo o papel social que sempre teve: o de reunir familiares e amigos para momentos de descontração.

Os jogos representam 25% do faturamento da companhia e estão em segundo lugar nas vendas, atrás somente das bonecas - a Estrela fechou 2009 com receita líquida de R$ 80,6 milhões. A empresa ainda não sabe quanto vai faturar com as versões online. A ideia é cobrar para que o internauta possa ter acesso à diversão. “Terá a etapa gratuita, para que o jogador possa experimentar e conhecer o produto; mas a partir de um determinado momento, vamos cobrar pelo serviço”, disse Aires Fernandes, diretor de marketing da empresa.

Este ano, a Estrela destinou cerca de R$ 5 milhões para desenvolvimento de novos produtos ou relançamentos. Com o investimento, a empresa disponibilizou ao mercado 269 novidades. Uma delas, prevista para ser lançada até o final deste mês, é o Super Banco Imobiliário. Nele estarão expostas marcas de empresas de verdade, como a TAM Viagens, Mastercard, Vivo, Nívea, Postos Ipiranga, Fiat e Itaú. Uma máquina de cartões de crédito substituirá o dinheiro de papel.

Concorrência chinesa

As inovações ocorrem a despeito das perdas registradas pela companhia. A empresa fechou no vermelho nos últimos três anos - a perda líquida registrada em 2009, de R$ 28,6 milhões, foi a maior desse triênio. Desde os anos 90 a empresa luta para fazer frente ao forte desembarque de produtos chineses no mercado nacional. Em 1995, mais de 600 empresas nacionais quebraram por causa da invasão chinesa.

As fabricantes de brinquedos brasileiras têm lutado há tempos para que o governo diminua a alíquota de impostos do produto e mude algumas regras trabalhistas. Cerca de metade do preço final dos briquendos é de impostos, segundo o executivo. “O ideal seria que fechássemos as fábricas nos três primeiros meses do ano para que os resultados fossem mais positivos”, disse Tilkian. A companhia tem fábricas em Itapira (SP) e Três Pontas (MG) e pretende inaugurar, até dezembro, uma unidade em Ribeirópolis (SE).

O Brasil possui atualmente cerca de 440 fabricantes de brinquedos. Segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), os brinquedos industrializados no País representam 60% do mercado nacional. A Estrela planeja ampliar em 15% seu faturamento este ano.

Leia tudo sobre: Estrelabrinquedosjogos de tabuleirosjogos on-line

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG