SÃO PAULO - A fabricante de dispositivos móveis e equipamentos de telecomunicações Nokia apresentou hoje o canadense Stephen Elop como seu novo presidente e diretor executivo. Elop, que atualmente comanda a divisão de negócios corporativos da Microsoft, assumirá o novo cargo em 21 de setembro, e será o primeiro estrangeiro a presidir a companhia de origem finlandesa.

Elop assume o comando da Nokia no lugar do finlandês Olli-Pekka Kallasvuo, que atuou como CEO da empresa desde 2006 e deixará o cargo em 20 de setembro, passando a assumir uma posição no Conselho de Administração da empresa. Antes de ingressar na Microsoft, Elop atuou como executivo sênior de empresas americanas de tecnologia como Juniper Networks, Adobe Systems e Macromedia. O executivo é graduado em Ciência da Computação com especialização pela McMaster University, em Hamilton, no Canadá.Com a troca de comando, a Nokia espera reverter a queda de lucratividade e segurar sua participação de mercado. No segundo trimestre de 2010, a empresa manteve a liderança do setor com 38,1% de participação, mas perdeu espaço em relação a igual período de 2009, quando contava com 40,3% do segmento, de acordo com dados da consultoria IDC.Entre abril e junho deste ano, a fabricante de celulares e equipamentos de telecomunicações apresentou lucro líquido de 227 milhões de euros entre abril e junho deste ano, abaixo do ganho de 380 milhões de euros registrado um ano antes. "É hora de acelerar a renovação da companhia trazendo uma nova liderança com diferentes habilidades e pontos fortes a fim de impulsionar o sucesso da empresa", disse o presidente no Conselho de Administração da Nokia, Jorma Ollila, em um comunicado. "O conselho considera que Stephen tem experiência na indústria e habilidades de liderança para atingir o pleno potencial da Nokia. Seu forte histórico em software e a experiência comprovada na gestão de mudanças serão bens valiosos conforme aumentamos a pressão para completar a transformação da companhia", afirmou. Olli-Pekka Kallasvuo continua liderando o conselho administrativo da joint-venture Nokia Siemens Networks e deixa o comando da Nokia com direito a uma indenização referente a 18 meses de salário-base bruto e a um incentivo de aproximadamente 4,6 milhões de euros. Ele também receberá 100 mil ações restritas da Nokia, que lhe foram concedidas em 2007. (Daniela Braun | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.