Tamanho do texto

Segundo presidente da TAM, nos próximos três anos não há previsão para novas compras e foco será criar sinergia entre as empresas

O presidente da TAM, Marco Antônio Bologna, disse nesta terça-feira que a Latam, empresa a ser constituída como resultado das negociações com a companhia de aviação chilena LAN, não deve partir para novas aquisições dentro do prazo de três anos. Ele admite que, neste período, a holding deverá ganhar "nova musculatura" a partir da sinergia entre os dois grupos da ordem de US$ 400 milhões. No entanto, não há neste momento qualquer previsão de se partir para novos mercados por meio da compra de empresas.

Tanto Bologna quanto o presidente da TAM Linhas Aéreas, Líbano Barroso, estiveram reunidos nesta tarde com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e a diretora-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Solange Vieira. Segundo eles, o governo não pretende manifestar qualquer opinião até que os detalhes da operação entre a TAM e a LAN sejam apresentados oficialmente à agência reguladora. "[A compra de novas companhias] não está dentro do nosso plano de negócio que gerou a proposta de fazer a Latam como a maior empresa da América do Sul", disse Bologna.

Segundo ele, mesmo se houver um grande fortalecimento das duas companhias, as novas oportunidades serão apenas analisadas, mas sem a intenção de, por enquanto, partir para novas aquisições. Os dois executivos saíram do encontro com o ministro, entusiasmados com os novos desafios que a possível aprovação do negócio pode proporcionar à TAM no setor de aviação civil.

Bologna reafirmou que o objetivo é tornar a Latam uma grande "transnacional sul-americana", buscando ganhos de escala, maior conectividade e liberdade de tráfego entre países. "O que nós estamos fazendo é um movimento que é inexorável na aviação mundial em um processo de consolidação. A Europa está quase no final desse processo, onde grandes companhias, inclusive de países diferentes, se tornaram binacionais.

A mesma coisa está acontecendo no mercado americano, mas entre eles. Nós entendemos que esse é um movimento que está vindo também para a America do Sul, pois já teve inclusive a junção entre a Avianca e a Taca". Os representantes da TAM disseram ainda que estão seguros sobre a legitimidade da operação com os chilenos. "Estamos atendendo à legislação brasileira, porque no último grau de controle, em 80% do capital votante, continuará a ser detido pela família Amaro, que é o que a legislação brasileira requer hoje", afirmou Bologna ao sair da sede do Ministério da Defesa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.