Empresa de logística do interior de São Paulo confirma compra da G-Tech, G-Log e Revitech, e fusão com a AGR

A AGV Logística, uma das maiores empresas de logística de carga que tem o bilionário americano Sam Zell como sócio, anunciou na última sexta-feira a fusão com a AGR, líder de logística na região sul do Brasil. A companhia confirmou também a aquisição das empresas G-Tech, G-Log e Revitech, pertencentes à família Granero, conforme havia antecipado o iG .Os valores das negociações não foram divulgados.

Após a fusão, Vasco Carvalho Oliveira Neto seguirá no posto de presidente da AGV e Eltamar Salvadori, sócio da AGR, assumirá um assento no conselho de administração da AGV. A projeção de faturamento da companhia para este ano é de R$ 625 milhões.

Com as operações, a AGV, que tem o fundo americano Equity International como sócio, passa a ter mais de 370 metros quadrados de área de armazenagem e dobra o quadro de funcionários para 4 mil colaboradores. Ela distribui produtos de grandes empresas de consumo como Bayer, Unilever, Intervet Schering-Plough, Nivea e Diageo.

Com o maior centro de distribuição localizado na cidade de Vinhedo, no interior de São Paulo, a AGV possui 39 unidades em 14 estados, passando a atender mais de 190 empresas, em 4.380 municípios, com uma frota própria de 640 equipamentos.

Com as novas empresas, a AGV assume a liderança em serviços bancários e se torna a maior operadora logística integrada da região sul. A companhia já era líder no segmento de saúde animal.

Em meados de março, o iG havia antecipado a operação de compra das três empresas da família Graneiro, mas a AGV não havia comentado as negociações. Já os antigos donos da G-Tech, G-Log e Revitech haviam negado o acordo.

Aporte de capital

Em 2008, a empresa do bilionário americano Sam Zell injetou US$ 100 milhões para ficar com pouco mais do que um terço do capital da AGV, criada em 1999. Pelo acordo inicial, o investidor tinha um prazo de até agosto deste ano para exercer a opção de alcançar 50% menos uma ação – não está claro se a opção já foi exercida.

O objetivo do aporte na empresa brasileira era dar fôlego para uma onda de aquisições de empresas. O setor de transporte de cargas é considerado muito fragmentado no Brasil, segundo especialistas.

A Equity International também participa do capital da construtora e incorporadora Gafisa, da administradora de shopping-center BR Malls além da Bracor, construtora de imóveis comerciais e industriais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.