De janeiro a junho, a Infraero registrou 7,2 milhões de usuários em Congonhas

selo

O número de passageiros no Aeroporto de Congonhas aumentou no primeiro semestre deste ano, pela primeira vez desde o acidente com o Airbus da TAM - que matou 199 pessoas em 2007. De janeiro a junho, a Infraero registrou 7,2 milhões de usuários em Congonhas. No ano da tragédia foram 8,9 milhões no período. Nos anos seguintes houve queda no primeiro semestre: 6,8 milhões de passageiros em 2008 e 6,3 milhões, em 2009. Desde o acidente, São Paulo enfrenta um rearranjo no sistema aéreo.

O governo decidiu diminuir a quantidade de pousos e decolagens em Congonhas, mas sobrecarregou os aeroportos de Guarulhos e Viracopos. "Se não fosse Viracopos, 4 milhões de passageiros utilizariam Guarulhos e Congonhas. Seria muito difícil", analisa Oswaldo Sansoni, professor de Engenharia Civil do Instituto Mauá de Tecnologia. A movimentação anual em Congonhas também teve redução entre 2006 e 2008. No ano passado, houve estabilidade, com um ligeiro aumento de quase 20 mil passageiros em um universo de 13 milhões. Agora, a tendência é de aumento.

A Infraero informou que, desde 2003, o Aeroporto de Congonhas passa por obras para atender ao aumento de demanda. Há um estudo para ampliar o número de balcões de check-in. Segundo nota enviada pela empresa, a proposta "prevê um aumento de mais 20 posições. Com essa medida, a empresa espera "aumentar o nível de conforto dos usuários." Congonhas ganhará também uma nova torre de controle até o fim de 2010. Quando entrar em atividade, os controladores de voo terão maior visibilidade do sistema de pistas e de pátio de manobras do aeródromo.

A Infraero ainda ressalta que foram realizadas duas obras no terminal de passageiros, um edifício garagem foi construído e a nova sala de desembarque foi inaugurada. Já o Ministério da Defesa informou que realiza expansões nos aeroportos de Guarulhos e Viracopos. Até 2013, a Infraero promete ampliar a capacidade de Guarulhos, por exemplo, em até 6,5 milhões de passageiros.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.