Cuiabá, 26 - Os frigoríficos Marfrig e Independência já assinaram o Termo de Ajuste de Conduta com o Ministério Público Federal de Mato Grosso, se comprometendo a não adquirir gado de propriedades com problemas de desmatamento ilegal e outras pendências relativas à sustentabilidade. A informação é do diretor executivo da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Otávio Cançado.

Cuiabá, 26 - Os frigoríficos Marfrig e Independência já assinaram o Termo de Ajuste de Conduta com o Ministério Público Federal de Mato Grosso, se comprometendo a não adquirir gado de propriedades com problemas de desmatamento ilegal e outras pendências relativas à sustentabilidade. A informação é do diretor executivo da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Otávio Cançado. Ele esclareceu à <b>Agência Estado</b> que a Abiec acompanha o processo junto com as empresas associadas, mas não será uma das signatárias do pacto da pecuária sustentável em Mato Grosso, pois não é responsável pela compra do gado. Das três empresas que participaram de reuniões com o procurador da República Mário Lúcio Avelar, apenas a JBS Friboi ainda não encaminhou ao Ministério Público o documento assinado. Em relação aos frigoríficos que atuam em Mato Grosso e que não assinaram o pacto, os procuradores afirmaram que continuarão com o levantamento de informações sobre as propriedades rurais que desrespeitam a legislação ambiental. As empresas que não respeitarem os termos do pacto poderão ser alvo de ações de indenização por danos ambientais, e os proprietários rurais podem ter a propriedade embargada e ver suspensos os créditos de financiamento. O objetivo do Ministério Público é que os frigoríficos desfaçam relações comerciais com os criadores de gado que pratiquem desmatamento ilegal, que não possuam licenciamento ambiental, que explorem mão de obra em condições de escravidão, que estejam localizadas em unidades de conservação, áreas indígenas ou quilombolas, que tenham registro de violência agrária ou que sejam áreas de desmatamento recente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.