Tamanho do texto

Vendas das peças de plástico assinadas por Philippe Starck devem gerar R$ 200 milhões em vendas e podem começar pela Europa

Francisco Schmitt, diretor de relações com investidores da Grendene, ressalta flexibilidade do novo negócio
Divulgação
Francisco Schmitt, diretor de relações com investidores da Grendene, ressalta flexibilidade do novo negócio

A fabricante de calçados Grendene dará o primeiro passo para diversificar seus negócios a partir do ano que vem, quando inicia a venda de móveis de plástico produzidos em grande volume e com preços acessíveis com o designer francês Philippe Starck. 

Leia também: Grendene tem alta de 2,2% no lucro do terceiro trimestre

O último passo foi constituir uma empresa no Brasil e também no continente onde o designer trabalha. A cidade escolhida foi Milão, na Itália, onde a empresa pretende ter um centro de desenvolvimento de design com Starck. Agora, começa a etapa de desenvolvimento de produtos. 

A expectativa para o novo negócio é alta, conta Francisco Schmitt, diretor de relações com investidores, ao iG  . A Grendene espera faturar US$ 200 milhões ao ano no novo segmento. "Considerando uma receita de R$ 2 bilhões, que a empresa registrou em 2012, o número representa cerca de 15%", calcula. 

O segmento de móveis de plástico é resultado de uma associação entre a Grendene, que tem o controle do negócio, com o designer francês, e outros sócios menores. Os produtos devem ser vendidos tanto na Europa quanto no Brasil. 

A favor da Grendene, que vai experimentar um novo segmento de negócio, está a expertise em atender os públicos B e C, que devem ser o foco do negócio de móveis. E também o tipo de móveis, que não dependerá necessariamente do desempenho da construção civil. "Os móveis com design acabam sendo mais objeto de decoração do que utilitário. O cliente não tem de necessariamente comprar um para a casa nova", conta Schmitt.

Com esta flexibilidade, a companhia acredita que haja espaço para o crescimento do negócio no mercado interno e na Europa, mesmo em um ambiente econômico mais nebuloso. O investimento no negócio de móveis soma R$ 22,5 milhões. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.