Brasil investirá R$ 162 mi na compra de navio de pesquisa oceanográfica

Embarcação será usada tanto pela Vale quanto pela Petrobras e ampliará infraestrutura de estudos marítimos

EFE |

EFE

O governo anunciou nesta segunda-feira que investirá R$ 162 milhões na compra de um navio de pesquisa oceanográfica de alta tecnologia graças a um acordo firmado com a Petrobras e a Vale. Segundo o Ministério de Ciência e Tecnologia, o navio oceanográfico, que será incorporado à frota brasileira em 2013, "estará entre as cinco melhores plataformas de pesquisa do mundo".

Além do investimento de R$ 70 milhões da Petrobras e de R$ 38 milhões da Vale, o Ministério de Ciência e Tecnologia e a Marinha de Guerra deverão investir mais R$ 27 milhões cada. "O novo navio de pesquisa hidroceanográfico será equipado com o que há de mais avançado em tecnologia de experimentação marinha", informou o Ministério de Ciência e Tecnologia em comunicado.

Com o anúncio desta aquisição, o governo pretende ampliar a infraestrutura dos estudos marítimos, a geração de conhecimentos sobre as águas do País e a formação de recursos humanos em uma área considerada estratégica para o Brasil. O interesse do Brasil no Atlântico aumentou significativamente desde que Petrobras descobriu reservas no pré-sal, fato que pode transformar o País em um dos maiores exportadores mundiais de petróleo.

Com a ajuda da embarcação, os pesquisadores poderão fazer estudos nas áreas de química, geologia, biologia e física marinha, segundo o governo. No entanto, a prioridade "será um inventário dos recursos minerais e de bioprospecção em águas brasileira", um estudo que é de interesse tanto da Petrobras como da Vale.

Atualmente, o Brasil conta com quatro navios que podem ser usados em estudos oceanográficos e polares por pesquisadores de diferentes universidades e centros científicos do país. Três destas embarcações são operadas pela Marinha: o Navio Hidroceanográfico Cruzeiro do Sul, para estudos oceanográficos, e o Navio Polar Almirante Maximiano e o Navio Oceanográfico Ary Rangel para a realização de pesquisas na Antártida. A quarta embarcação oceanográfica brasileira é a Alpha Crucis, recentemente adquirida pela Universidade de São Paulo (USP).

Leia tudo sobre: ValePetrobras

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG