Synergy já planeja a segunda fábrica no mercado brasileiro

Fabricante irlandesa de aromas para alimentos acaba de inaugurar sua primeira unidade fabril no país, mas já faz planos para ampliar produção de seus produtos

Brasil Econômico - Cintia Esteves |

Brasil Econômico

Zilned Durant, diretor comercial da Synergy, levou seis anos para convencer a matriz irlandesa a abrir uma fábrica no Brasil. Durante este período, o executivo formou uma cartela de clientes apenas importando os 45 mil tipos de aromas para alimentos produzidos pelo grupo. Em agosto deste ano, os irlandeses cederam aos apelos de Durant e compraram a antiga fábrica da Ottens Flavors, localizada em Vinhedo, interior de São Paulo. Mas os planos são mais ambiciosos: os executivos da companhia já estão a procura de uma nova unidade fabril no país, garantem pessoas próximas às negociações.

Durant não confirma a informação, mas diz que o grupo está confiante no potencial do mercado brasileiro. “Por aqui o consumidor está muito acostumado com aromas artificiais, mas nossa intenção é introduzir essências naturais, com conceitos relacionados à saúde”, diz.

Os aromas produzidos pela Synergy são vendidos para indústrias alimentícias. Eles são aplicados em doces, chocolates, sucos, refrigerantes, pães, entre outros. A unidade de Vinhedo tem capacidade para produzir mil toneladas destes produtos anualmente.

Mas há outros itens no portfólio do grupo que devem ser comercializados aqui. A Synergy pertence à Carbery, uma das maiores fabricantes de laticínios da Europa. Com faturamento de € 256,5 milhões em 2011, a empresa é dona de uma das marcas mais famosas de queijo da Irlanda, o Dubliner, e líder na comercialização de leite no Reino Unido.

“Vamos importar o queijo irlandês. Não compensa produzi-lo aqui, senão perde o atrativo para o consumidor brasileiro”, afirma Durant. A Synergy também importará da Carbery a linha de redutores de sódio da marca Saporesse. O produto é utilizado por indústrias para diminuir a necessidade do uso de sal nos alimentos.

Mais irlandeses

Na semana passada, uma comitiva de 39 empresas da Irlanda de diversos segmentos, organizada pelo órgão de promoção de exportações do país, reuniu-se com 250 empresários brasileiros em São Paulo. “O Brasil mostrou força diante da crise mundial e é nosso interesse reforçar a relação com o país”, disse na ocasião o ministro do comércio e desenvolvimento da Irlanda, Joe Costello. O presidente do país, Michael Higgins, acompanhou a comitiva. Ele também se reuniu com a presidente Dilma Rousseff para fechar um acordos de cooperação na área da educação.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

Leia tudo sobre: Economiaempresas

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG