Grupo Eletrobras acelera ritmo de investimentos no segundo semestre

Empresa deve investir R$ 7 bilhões nos últimos meses do ano, que vão somar 70,4% do inicialmente previsto, de R$ 10,2 bilhões no ano

Brasil Econômico - Rafael Palmeiras |

Brasil Econômico

Os planos de investimentos do Grupo Eletrobras devem ganhar mais ritmo no segundo semestre, somando cerca de R$ 7 bilhões. O valor representa 70,4% do total de R$ 10,2 bilhões orçados para o ano.

Segundo dados do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, a Eletrobras investiu até agosto menos de 30% do planejado para 2012, totalizando R$ 3 bilhões. Por meio de comunicado a empresa informou que “os desembolsos seguem em ritmo normal, com maior concentração no segundo semestre”.

Diante desse cenário, a Eletrobras também informou que espera cumprir entre 80% e 90% do orçamento total planejado e destaca que “esse percentual pode ser mais elevado, caso consigamos superar os empecilhos referentes às licenças ambientais”.

Na visão de Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infra Estrutura (CBIE), empresas estatais costumam ter mais dificuldade para atingir suas metas de investimentos. “As decisões acabam centralizadas no governo e muitas delas são aprovadas apenas no final do ano, o que pode gerar um valor maior nesse período.” Pires também explica que no final do ano as empresas acabam correndo com os investimentos para garantir o orçamento para o ano seguinte.

Nos planos da Eletrobras para este ano estão a expansão e manutenção nas áreas de geração, transmissão e distribuição de energia (veja arte). Já em 2013, as empresas do Grupo Eletrobras devem investir cerca de R$ 10,1 bilhões.

Empresas

Entre as empresas que fazem parte do Grupo Eletrobras, a que realizou maior parte dos investimentos previstos para o ano foi a Eletrosul, que investiu 65,5% do total de R$ 428 milhões aportados.

A Eletronuclear, mesmo com maior parte do investimento, que totalizam R$ 2,6 bilhões, concluiu até agosto apenas 12,4% desse total. A empresa é responsável pela usina nuclear Angra 3, que vai demandar cerca de R$ 10 bilhões e deve iniciar operação em julho de 2016. A usina, que terá potência de 1.405 megawatts (MW), já tem nas costas um atraso de sete meses para início da operação, que estava previsto para dezembro de 2015.

Ainda de acordo com as informações do ministério, a Eletronorte, que tem um total de recurso para 2012 de R$ 600 milhões, utilizou apenas R$ 170,2 milhões, o equivalente a 28,4%.

Já a Chesf, que tem meta de investir R$ 1,8 bilhão, realizou até agosto um aporte de R$ 625,8 milhões. Nos planos da companhia está um investimento acima de R$ 4 bilhões até 2015, com parte da captação sendo de origem da indenização que a empresa receberá do governo. Porém a companhia já sinalizou que, caso o pacote de medidas para redução da tarifa de energia entre em vigor, poderá cortar seus custos para manter os investimentos.

Furnas, que também faz parte do Grupo Eletrobras, aportou R$ 570,4 milhões, de um total previsto de R$ 1,5 bilhão. Por último aparece a Eletrobras, que investiu apenas 3,5% do total de R$ 130 milhões.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

Leia tudo sobre: EconomiaempresasEletrobras

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG