Cisco encerra parceria com ZTE após investigação sobre vendas ao Irã

Presidente-executivo da Cisco, John Chambers, recusou-se a discutir os resultados da investigação, mas ressaltou que a companhia "não tolera nenhuma venda direta ou indireta" de seus equipamentos para países sob embargo, como o Irã

Reuters |

Reuters

A Cisco encerrou uma longa parceria de vendas com a ZTE após investigar as acusações de que a fabricante chinesa de equipamentos de telecomunicação vendeu equipamentos de rede da Cisco ao Irã.

A Cisco começou a investigação após matérias da Reuters em março e abril terem mostrado como a HTC ilegalmente tinha vendido à maior empresa de telecomunicação do Irã equipamentos da Cisco e outras companhias dos EUA.

As matérias estimularam investigações internas nas empresas envolvidas, assim como do Departamento de Comércio norte-americano, do FBI e de um comitê de deputados em Washington.

Um comitê da Câmara dos Deputados afirmou em parecer prévio que divulgará nesta segunda-feira que a HTC e a fabricante chinesa de equipamentos de telecomunicação Huawei devem ser banidas do mercado norte-americano porque a possível influência do governo chinês sobre elas é uma ameaça à segurança.

As duas companhias negaram as acusações.

Um porta-voz da ZTE se pronunciou sobre a decisão da Cisco de cortar relações. "A ZTE está muito preocupada com o assunto e está entrando em contato com a Cisco. Ao mesmo tempo, a ZTE está ativamente cooperando com o governo dos Estados Unidos sobre a investigação contra o Irã".

Em uma entrevista recente, o presidente-executivo da Cisco, John Chambers, recusou-se a discutir os resultados da investigação, mas ressaltou que a companhia "não tolera nenhuma venda direta ou indireta" de seus equipamentos para países sob embargo, como o Irã.

A Cisco e a ZTE formaram uma parceria por sete anos, em uma relação que foi, por vezes, conturbada, segundo um ex-executivo da Cisco com conhecimento do assunto.

A ZTE via a parceria como um esforço para ter oportunidades de negócio na China e na Ásia-Pacífico, excluindo o Japão.

Leia tudo sobre: NEGOCIOSTELECOMCISCOLEGAL

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG