Entre 3 mil e 4 mil empregados da fábrica da Foxconn em Zhengzhou abandonaram seus postos de trabalho devido ao descontentamento com condições de trabalho na empresa

EFE

Milhares de trabalhadores de uma fábrica da empresa taiuanesa Foxconn no centro da China declararam greve devido às abusivas condições trabalhistas, o que paralisou a produção do iPhone 5.

Segundo um comunicado da associação de defesa dos direitos trabalhistas China Labour Watch, entre 3 mil e 4 mil empregados da fábrica da Foxconn em Zhengzhou abandonaram seus postos de trabalho na tarde desta sexta-feira devido ao seu descontentamento com certas condições da empresa.

Foxconn nega que fábrica de iPhone na China tenha sido afetada por greve

Novo conector é maior ponto fraco do iPhone 5

Entre as queixas estão as "excessivas exigências de qualidade dos produtos" sem que os trabalhadores passem por um "treinamento adequado" e a impossibilidade de tirar férias durante a semana passada, período festivo em toda a China.

A greve acontece duas semanas depois de uma fábrica da Foxconn na cidade chinesa de Taiyuan ter sido fechada durante mais de um dia após incidentes que envolveram até 2 mil trabalhadores insatisfeitos com as duras condições de trabalho.

No início de setembro, aconteceu o segundo suicídio em uma fábrica da Foxconn após o acordo assinado entre esta companhia e a Apple para melhorar a situação dos trabalhadores.

Segundo o pacto, a Foxconn se comprometeu a reduzir o horário de trabalho, melhorar os protocolos de segurança e proporcionar outros benefícios sociais aos funcionários.

O convênio foi alcançado depois de mais de 100 trabalhadores da companhia terem ameaçado suicidar-se em massa saltando de um telhado da fábrica.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.