Mercado Livre muda e já pode abrigar lojas inteiras na web

Modelo da Amazon, agora replicado no Brasil pelo portal, é tendência e pode impulsionar mercado digital

Priscilla Arroyo - Brasil Econômico |

O grupo argentino Mercado Livre dá um passo importante para conquistar ainda mais espaço no comércio eletrônico. A empresa finaliza o processo de abertura da sua plataforma e torna possível a presença de lojas virtuais inteiras no portal. Para os empresários de e-commerce, a oportunidade de ter uma “filial” em um ambiente com projeção para 73 milhões de clientes é sinônimo de expansão.

A abertura da plataforma aperfeiçoa o processo de inclusão de produtos no Mercado Livre. Se antes o vendedor conseguia cadastrar no máximo sete produtos por hora, agora cem itens podem ser incluídos no mesmo período de tempo. De acordo com Helisson Lemos, diretor geral da empresa no Brasil, a mudança deve atrair as principais lojas de comércio eletrônico para dentro do portal.

“A expectativa é que todo lojista online tenha uma espécie de subsidiária no nosso portal. À medida que oferecemos um ambiente seguro e com ‘circulação’ garantida de clientes, nos igualamos a um Shopping Center, só que no meio virtual”, diz Lemos.

De olho na oportunidade de expansão, a Bebê Store, e-commerce de produtos para bebês com três anos de vida, é o primeiro estabelecimento a ter uma subsidiária no site. A experiência já mostra os resultados: apenas um mês após o início da integração, as vendas aumentaram 200%. “Para crescer, buscamos presença em multicanais; o público do Mercado Livre é diferente do nosso e queremos conquista-lo. O objetivo é atingir faturamento de R$ 500 milhões até 2015”, diz Leandro Simão, diretor da empresa.

Busca por parceiros

Para otimizar o processo de inclusão dos produtos, o Mercado Livre disponibilizou uma API (Application Programming Interface, na sigla em inglês). A interface permite que as lojas virtuais tenham acesso às funcionalidades do sistema e ao catálogo de clientes do portal. No entanto, para possibilitar essa sinergia é necessário o desenvolvimento de um software específico. No caso da Bebê Store, a 00K foi a companhia que criou esse programa.

Com objetivo de atrair mais empresas parcerias como a 00K, o Mercado Livre vai apresentar as modificações na sua plataforma aos desenvolvedores de programas na 1ª MercadoLivre Developer Conference, que acontece no dia 31 de outubro em São Paulo.

Na avaliação do especialista em desenvolvimento de produtos digitais e diretor da Concret Solutions, Fernando De La Riva, a iniciativa do Mercado Livre de abrir a plataforma deve impulsionar o mercado digital no Brasil. “Esse conceito de negócio, utilizado com sucesso pela americana Amazon, é uma tendência internacional. A vantagem é a criação de um ecossistema com capacidade ilimitada de inovação”, diz. 

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

Leia tudo sobre: Empresaseconomiaconsumo

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG