Toyota, Nissan e Honda reduzem produção na China

Montadoras suspenderam atividades devido aos protestos de disputa territorial contra o Japão

AFP |

AFP

As três principais montadoras japonesas de veículos - Toyota, Nissan e Honda - suspenderam nesta terça-feira parte de sua produção na China diante dos protestos contra o Japão envolvendo uma disputa territorial.A Toyota informou que paralisou parte de sua produção, a Nissan suspendeu o trabalho em duas das três fábricas na China e a Honda parou suas cinco unidades no país para garantir a segurança de seus funcionários.

As empresas japonesas Panosonic e Canon já haviam decidido suspender as operações em suas fábricas na China diante dos protestos antinipônicos provocados pela disputa do arquipélago.Um porta-voz da Toyota disse à AFP que "a segurança dos funcionários é a principal prioridade". "Certas fábricas e certas concessionárias vão funcionar hoje, mas outras não. Cada uma tomará a decisão em função da situação".

Segundo o porta-voz, certas concessionárias da Toyota sofreram "danos" nas manifestações antijaponesas dos últimos dias.A Toyota emprega quase 26 mil pessoas e fabrica cerca de 800 mil veículos a cada ano na China, tendo uma rede de 860 concessionárias no país.

A Nissan decidiu suspender sua produção nas unidades de Guangzhu (província de Guangdong) e Zhengzhu (Henan), mas manteve a atividade em Xiangyang (Hubei), revelou um porta-voz do grupo, que fabricou 1.198.000 veículos na China em 2011. A Honda decidiu fechar todas as suas cinco fábricas na China nos próximos dois dias.

"Podemos fabricar estes automóveis, mas estamos preocupados com a entrega dos veículos nas concessionárias", explicou o porta-voz do grupo, que produz 970.000 carros a cada ano na China.Japão e China disputam as ilhas Senkaku (Diaoyu para os chineses), no Mar da China Oriental, centro do conflito territorial entre os dois países.

O arquipélago desabitado, situado 200 km a nordeste de Taiwan e a 400 km a oeste da ilha de Okinawa, no sul do Japão, é controlado pelos japoneses e reivindicado pela China.A disputa ganhou força na semana passada, quando o governo japonês anunciou a compra das três ilhas e a consequente nacionalização.

A China respondeu com o envio de navios de guerra para patrulhar a área.Na segunda-feira, a embaixada japonesa em Pequim foi protegida por centenas de policiais, em resposta aos pedidos do primeiro-ministro japonês, Yoshihiko Noda, que exigiu da China a garantia da segurança de seus cidadãos e de seus interesses econômicos.

Leia tudo sobre: montadorastoyotanissanhondachina

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG