Estrela aposta nos jogos online para recuperar mercado perdido

Banco Imobiliário Geo é a primeira tentativa da empresa em levar seus clássicos jogos de tabuleiro para a internet e se adequar a um novo tipo de consumidor

Mayara Teixeira, iG São Paulo |

A Estrela, maior fabricante de brinquedos do Brasil, vai se arriscar no mercado de jogos para celular e lançar um aplicativo com uma versão online de um de seus maiores sucessos de venda: o Banco Imobiliário. A expectativa da Estrela é de que mais de 1 milhão de pessoas baixem a versão online do produto, batizado de Banco Imobiliário Geo, que poderá ser jogado online e também nas redes sociais.

Leia também: Ferrorama traz primeiro Leão de Ouro para brasileiros em Cannes

No ano passado, o Super Banco Imobiliário foi o produto mais vendido pela empresa, mais de 200 mil unidades. A diferença é que agora, os usuários de Iphone, Android e iOS não vão mais precisar de um tabuleiro para jogar. “O mundo passou a fazer parte do nosso tabuleiro e todas as ações podem ser compartilhadas pelo Facebook ou Foursquare”, diz o presidente da Companhia, Carlos Tilkian.

Divulgação
O primeiro aplicativo da Estrela será gratuito e estará disponível na Apple store até sexta-feira

Essa é uma ambição da empresa desde 2010, mas só agora conseguiu reunir parcerias e investimentos para o lançamento. A plataforma do Banco Imobiliário não é da Estrela, foi desenvolvida pelo Grupo .Mobi e custou cerca de R$300 mil.

O aplicativo permite que os jogadores transformem o lugar em que estão em uma peça do jogo. Basta dar check in no local, ele fará parte do banco de dados e já poderá ser comprado virtualmente. Por enquanto, apenas os usuários de Iphone poderão baixar o jogo, mas dentro de um mês ele também estará disponível para Android. Para Windows Phone ainda não há previsão.

O produto será disponibilizado gratuitamente, mas a Estrela espera que o jogo contribua positivamente para sua receita. A empresa tem enfrentado prejuízos constantes e em 2009 precisou recorrer ao Refis (Programa de Recuperação Fiscal) por conta de uma dívida de R$47,4 milhões em impostos.

O jogo é uma tentativa de ampliar a faixa etária dos consumidores atingidos pela marca. “Queremos resgatar os consumidores que já desgarraram do nosso mercado tradicional”, diz Tilkian. O presidente aposta em pesquisas que apontam adultos como os maiores usuários de jogos para celular.

Mercado em dificuldades

A situação da Estrela não é singular. O mercado brasileiro de brinquedos enfrenta forte concorrência dos produtos chineses. Segundo a Abrinq, no ano passado o setor faturou R$6 bilhões, mas 60% da produção foi importada em grande parte da China.

“Esse é um cenário que precisa mudar. Não falta capacidade produtiva, tecnologia ou design no Brasil”, diz Tilkian. Para ele, o câmbio, os juros e os benefícios concedidos a produtos importados nos portos são responsáveis por prejuízos na indústria brasileira. O presidente diz que a Estrela tem capacidade para produzir 90% de suas necessidades, mas ainda é mais rentável importar 30% de seus produtos da China.

Medidas como a unificação do ICMS e o controle do dólar trouxeram mais otimismo para as indústrias, mas os reflexos só serão sentidos a partir do ano que vem, pois “boa parte das compras já foram feitas”, diz o presidente da companhia. “A expectativa do setor é que o dólar não fique abaixo de R$1,90”, completa.

Leia também: Fim da "guerra dos portos" muda rota de importados no país

Neste ano, a Estrela pretende investir R$15 milhões em publicidade e R$8 milhões em desenvolvimento de produtos. Para 2013, a empresa espera que a quantidade de produtos e peças importadas seja reduzida para 20%. Para Tilkian, a grande dificuldade de sua empresa é superar o passivo fiscal. “Desde a abertura para o mercado temos um prejuízo operacional”.

Busca por novos parceiros

Com o aplicativo para celular, a companhia quer recuperar o mercado perdido e se adequar a um novo tipo de consumidor. Essa é a tentativa da Estrela para se adaptar ao mundo digital com um plano de negócio rentável. “O Banco Itaú é o nosso primeiro parceiro, mas queremos trazer outras empresas para expor seus produtos e serviços através do jogo”, diz Tilkian.

O Banco Itaú, que já é parceiro da Estrela no Banco Imobiliário para tabuleiro, será o banco oficial do jogo para celular. Empréstimos, depósitos e saques virtuais serão realizados em uma plataforma com o logo da instituição. Funciona como uma propaganda e a Estrela pretende oferecer essa visibilidade para conseguir outros patrocínios. “A expectativa é que 1 milhão de pessoas façam o download do jogo até o final do ano”, diz o presidente.

A iniciativa representa uma tendência da empresa. A Estrela pretende digitalizar cerca de 14 jogos de tabuleiro nos próximos anos, entre eles Detetive, Jogo da Vida e Combate. A expectativa é que o faturamento anual aumente, mas a companhia ainda não sabe o tamanho do impacto “Não sabemos o quanto isso vai representar, mas esperamos que muito”, diz Tilkian.

 

Leia tudo sobre: EstrelajogoscelularBanco Imobiliário

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG