Tamanho do texto

Cristina cita Petrobras como inspiração. Espanhóis dizem que vão responder à medida argentina e que têm o apoio da UE

Interventores: governadores das provincias petroleiras de Chubut, Martín Buzzi (esq.), e da Terra do Fogo, Fabiana Rios (dir.), entram no edifício da YPF em Buenos Aires.
EFE / ENRIQUE GARCIA MEDINA
Interventores: governadores das provincias petroleiras de Chubut, Martín Buzzi (esq.), e da Terra do Fogo, Fabiana Rios (dir.), entram no edifício da YPF em Buenos Aires.
A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, anunciou nesta segunda-feira que seu governo pretender "expropriar" 51% da petrolífera de capital argentino e espanhol Repsol-YPF. A decisão - segundo Cristina, inspirada na Petrobras - estremeceu as relações diplomáticas com a Espanha.

- Leia também: no mesmo dia, Argentina suspende registro da Bunge

Um projeto de lei, já enviado ao Congresso Nacional, estabelece que o Estado passa a controlar a empresa - que havia sido privatizada nos anos 1990. A presidente justificou a decisão diante da queda na produtividade da petroleira, no aumento inédito das importações de combustíveis, no passado, e no fato do país ser um dos poucos no mundo que não tem o "controle" deste setor.

"Depois de dezessete anos, pela primeira vez em 2010, tivemos que importar gás e petróleo. Também tivemos redução no saldo comercial - devido à queda nas exportações do setor -, que entre 2006 e 2011 foi de 150%", afirmou.  "Não se trata de estatização, mas de recuperação da empresa, que passará a ser controlada pelo Estado argentino", disse, em rede nacional de rádio e de televisão.

Ela também anunciou a assinatura de um decreto intervindo na companhia, que passará a ser administrada por autoridades locais, antes mesmo da aprovação do texto pelos parlamentares argentinos.

Reação

O anúncio da nacionalização era esperado há vários dias e já tinha gerado forte reação das autoridades da Espanha. Durante o discurso, Cristina leu trechos de reportagens da imprensa espanhola sobre o assunto e afirmou. "Essa presidente não fará eco de frases insolentes -- da Espanha. Primeiro porque sou chefe de Estado. Minha responsabilidade é conduzir", disse.

Pouco depois do anúncio, a número dois do partido governista da Espanha (PP), Dolores de Cospedal, disse que o governo espanhol "responderá" à medida argentina. "Nesta questão, a Espanha tem o apoio dos sócios europeus e outros sócios".

Na sexta-feira passada, a Comissão Europeia afirmou ter o "dever de defender os investimentos realizados pelos estados-membros do bloco no exterior", sinalizando apoio à Espanha.

O rei Juan Carlos também teria telefonado para Cristina tentando evitar a expropriação. O diretor da Repsol-YPF, Antonio Brufau, ainda pedia diálogo poucas horas antes do anúncio presidencial.

Petrobras

Cristina afirmou que a decisão argentina não é um "fato inédito", já que outros governos, como México e Bolívia, possuem 100% das empresas petrolíferas estatais. Ela citou o Brasil como um modelo. "No Brasil, o estado tem 51% (das ações) por meio da Petrobras. Nós escolhemos o mesmo caminho (com a Repsol-YPF). Queremos ter uma relação igualitária com nosso sócio (Brasil), para ajudar a América Latina a se transformar também em região de auto-abastecimento. E, por isso, queremos incluir Venezuela no Mercosul para fechar o anel energético", disse.

O restante das ações da Repsol-YPF - mais de 40% - corresponderá às províncias e um percentual reduzido aos espanhóis (especula-se que em torno de 6%).

A presidente disse que a medida não afeta "outros sócios ou acionistas" da Repsol-YPF. No entanto, após o anúncio, as ações da empresa registraram forte queda na Argentina e no mercado internacional. A presidente afirmou também que seu governo quer trabalhar junto com o empresariado, mas que "não vai tolerar" a falta de cooperação com seu país. O anúncio da presidente foi interpretado por analistas argentinos como sinal de “maior ingerência do Estado” na economia local.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.