Três empresas resultantes da cisão da mineradora MMX começam a ser negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) no fim deste mês, informou ontem a companhia, que integra o grupo EBX, do empresário Eike Batista. São a empresa de logística LLX, a nova MMX (restrita ao ativos do sistema Corumbá e à MMX Sudeste), e a Iron X, composta pelos sistemas Amapá e Minas-Rio.

A mineradora Anglo American está comprando o controle dos sistemas Amapá e Minas-Rio e terá 100% da Iron X, que não terá participação do grupo EBX.

A MMX informou ontem que o contrato de compra e venda, assinado em 31 de março, "está em fase de conclusão" e todas as formalidades já foram cumpridas. A Anglo American, porém, afirma que não há data para a conclusão do negócio. A empresa pediu informações à MMX sobre a operação "Toque de Midas", da Polícia Federal, que incluiu busca e apreensão em endereços do grupo empresarial de Eike Batista e até na residência do empresário. "A Anglo American e os vendedores tomarão suas respectivas decisões sobre as condições pendentes e seus respectivos direitos e obrigações previstos nos contratos à medida em que as informações fiquem disponíveis", diz nota da empresa anglo-sul-africana distribuída ao mercado na última segunda-feira (dia 14).

Segundo três fontes de mercado, a MMX espera que a Anglo American pague US$ 3,6 bilhões ainda este mês pela compra do controle dos sistemas Minas-Rio e Amapá. Uma delas disse que o pagamento poderá ser feito já na próxima segunda-feira. Mais US$ 1,9 bilhão ainda seriam desembolsados pela Anglo American, referentes aos direitos dos acionistas minoritários. Esse pagamento está previsto para ocorrer após a listagem da Iron X na Bovespa. A MMX não se manifestou explicitamente sobre a data para pagamento, mas divulgou que a Iron X terá ações lançadas na Bovespa ainda este mês. A mineradora brasileira informou que a mudança de controle da ferrovia no Amapá, cuja licitação é objeto da investigação policial, já foi aprovada pelo governo daquele Estado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.