Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Empresários pedem a Morales mudança de atitude para controlar inflação

La Paz, 4 jul (EFE).- Os empresários da Bolívia pediram hoje ao Governo de Evo Morales uma mudança de atitude para lutar contra a inflação que, segundo suas previsões, chegará a 17,33% até o final do ano.

EFE |

Gabriel Dabdoud, presidente da Confederação de Empresários Privados da Bolívia (CEPB), afirmou em entrevista coletiva que a tendência da inflação neste país "é ascendente" ao contrário do que sustentam as autoridades.

"O Governo diz que em junho a inflação foi de 1,26%, isso significa uma acumulada de 8,85%. O que o Governo não diz é que isso em 12 meses será de 17,33%", explicou o presidente da CEPB.

Justificou seu critério dizendo que a inflação tem uma tendência de alta, ao comparar esse dado com a registrada no ano passado de 11,74%.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Bolívia no primeiro semestre de 2008 é de 8,85%, com o que supera já a meta de 8% que tinha previsto o Governo.

O presidente da patronal dos empresários privados bolivianos expressou sua preocupação porque "todas as políticas e decretos usados pelo Governo" não estão dando resultados, e pediu que ele pare e "medite, afim de mudar de atitude".

O presidente Evo Morales emitiu vários decretos para proibir a exportação de alguns alimentos e criou uma empresa estatal de alimentos para lutar contra a inflação, medidas que segundo o titular da CEPB, "não tiveram efeito".

Também questionou a informação divulgada por alguns ministros, afirmando que o país está melhor que alguns vizinhos, como por exemplo o Peru.

"Ninguém discute que há inflação no mundo todo, mas os outros países estão fazendo gestão econômica e nós estamos como a Venezuela fazendo política e sendo campeões da inflação, isso não é do que o povo precisa", concluiu. EFE rs/ma

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG