Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Empresa pressiona chineses por reajuste

Apesar de a Vale negar ter exigido um novo reajuste no minério de ferro vendido para a China, um representante da Associação do Minério de Ferro e do Aço do país, que não quis se identificar, disse ontem à agência Dow Jones que a mineradora aumentou na semana passada os preços do minério para as siderúrgicas chinesas em 20%. Segundo ele, o reajuste violou seriamente o contrato de fornecimento anual assinado em fevereiro.

Agência Estado |

"A associação está avaliando a situação", afirmou.

A Vale teria informado o novo reajuste por meio de um comunicado transmitido por fax aos seus clientes chineses. Segundo o comunicado, os preços do minério vendido às siderúrgicas chinesas passariam a ficar em linha com os do produto fornecido à Europa. Os preços do minério da Vale na Europa são cerca de 20% mais altos do que na China, disse um executivo do setor siderúrgico chinês.

Anteontem, a Vale divulgou uma nota na qual dizia não ter reajustado os preços. Mas o mercado financeiro considerou o comunicado dúbio, ao informar que a Vale mantém "permanente diálogo com seus clientes, buscando a negociação".

As especulações sobre um adicional colocam em xeque o atual modelo de negociação do preço do minério de ferro, que sofreu o primeiro baque no início do ano, quando as mineradoras australianas não seguiram, como de praxe, o índice de reajuste adotado pela Vale. Pelo menos desde o início da década o primeiro acordo fechado entre uma mineradora e uma siderúrgica era seguido fielmente pelo restante do mercado.

Segundo fontes, a Vale, de olho em reforçar seu caixa para elevar o cacife na disputa pela mineradora Xstrata, fechou em tempo recorde, em fevereiro, um aumento entre 65% e 71%. O porcentual não agradou às rivais australianas BHP Billiton e Rio Tinto, que continuaram negociando e conseguiram, quatro meses depois, um reajuste de 100% para seus preços.

O ponto central das conversas foi a questão do frete. As australianas alegam que, pela proximidade com a Ásia, os custos com transporte ficam mais baratos em relação aos da Vale. Já a mineradora brasileira argumenta que a qualidade de seu produto é melhor.

A dúvida dos analistas agora é saber se a Vale, sem ter conseguido fechar a compra da Xstrata, busca agora tentar recuperar o reajuste perdido. A confirmação de que a Vale obteve ou de que estaria tentando emplacar um aumento adicional fora do período tradicional de formação de preço muda drasticamente o cenário para as próximas negociações. Isto porque as rivais australianas já alguns anos defendem que o preço do produto passe a ser negociado em bolsa de mercadorias, a exemplo do que acontece com o níquel e o petróleo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG