Em comunicado, a seguradora de crédito francesa Coface destacou que a América Latina é mais resistente às crises econômicas

Os países da América Latina crescerão 5,1% em 2010, uma taxa similar à registrada na região antes da explosão da crise financeira, de 5,5%, e que aproxima a região das economias emergentes da Ásia, previu hoje a seguradora de crédito francesa Coface.

Em comunicado, a companhia destacou que "a América Latina é mais resistente às crises econômicas e financeiras exógenas e possui bases fundamentais que melhoraram muito graças a reformas e ao saneamento financeiro dos últimos anos".

O Brasil está entre os países com maior previsão de crescimento da região e poderia crescer 7% em 2010, nível melhor que os de anos anteriores.

A Coface situa o Brasil e outros três países da América Latina (Peru, Uruguai e Bolívia) sob vigilância positiva, por terem alcançado "uma forte retomada do crescimento, estável e impulsionada pelo dinamismo da região asiática e pelo consumo doméstico".

Além disso, o grupo francês retira a vigilância negativa sobre a qualificação do Equador, por sua recuperação econômica, que, no entanto, continua sendo modesta. No entanto, avisa que "a forte dependência da economia americana em termos de exportações, transferências, investimento estrangeiro direto e turismo está restringindo a recuperação no México, na América Central e no Caribe".

A Coface destaca que, enquanto no começo dos anos 2000 o crescimento da América Latina estava muito abaixo do dos países emergentes e, inclusive, inferior ao dos países industrializados, agora se encontra na média dos países emergentes e muito acima dos industrializados. EFE ecm/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.