Brasília - Representantes da empresa francesa Dassault, que compete na licitação pela venda de 36 caças ao Brasil, afirmaram hoje que seus aviões Rafale serão negociados a um preço competitivo, caso o sejam aprovados.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237573724251&_c_=MiGComponente_C

O diretor da empresa no Brasil, Jean-Marc Merialdo, colocou em dúvida, durante uma entrevista coletiva, que os aviões Gripen NG, da sueca Saab, ou os Super Hornet F-18, da americana Boeing, possam custar 40% a menos que os Rafale, como afirmaram seus respectivos fabricantes.

Merialdo também disse não acreditar que a Boeing esteja em capacidade de oferecer um melhor preço e afirmou que tanto essa companhia quanto a Saab demonstraram "falta de compostura" em seu afã por ganhar a licitação.

O diretor da Dassault se recusou a anunciar o preço de seus Rafale, pois ele deve respeitar "a confidencialidade" à qual se comprometeu com a Força Aérea Brasileira (FAB), mas assegurou que são números "competitivos" com as outras duas companhias.

Merialdo também disse que a empresa se comprometeu a transferir "50% da tecnologia" do avião, tal como o exige Brasil no texto da licitação.

O prazo para a apresentação das ofertas venceu no dia 2 de outubro e a FAB analisa atualmente cada uma delas.

A FAB entregará um relatório sobre o assunto ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que dará a última palavra a respeito.

Leia mais sobre caças

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.