Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Empresa americana faz jipões funcionarem com diversos combustíveis

Que tal um veículo que pode rodar, e bem, com óleos vegetais e até óleo de cozinha usado? É o que a convertedora H-Line vem fazendo nos Estados Unidos. O processo nem parece tão complicado assim.

Agência Estado |

A empresa recebe um Hummer H1 ou H2, movido a gasolina, e troca o motor a original por outro a diesel. Além disso, a central eletrônica é reprogramada e também há substituição da caixa de câmbio.

Pronto, a mágica está feita: o que era um jipão sedento por gasolina passa a ser um veículo com sede moderada por diesel. A autonomia fica 40% maior e a emissão de poluentes cai cerca de 20%.

O propulsor aceita ainda biodiesel, óleo de milho ou qualquer outro óleo vegetal, mesmo depois de este ter fritado algumas batatas, por exemplo. Basta coar o líquido antes de abastecer. E a mistura entre esses óleos também é possível.

A conversão mais em conta sai por US$ 35 mil. Não é barato, mas vale destacar que o motor utilizado, DuraMax 6.6 (da GM), fica com potência superior a 500 cv.

Para ampliar o leque de combustíveis e a eficiência do veículo, a H-Line está trabalhando num sistema que induz hidrogênio na admissão de ar.

O resultado é consumo de diesel e emissão de poluentes reduzidos pela metade. Gás natural também pode ser utilizado no lugar do hidrogênio.

Há duas décadas

Motores multicombustíveis não são novidade. Em 1987, um Audi 100 veio ao Brasil para mostrar a capacidade do propulsor instalado nele, um Elko 1.4, da alemã Elsbett Konstuktion. Com três cilindros e turbinado, ele funcionava com qualquer óleo - como soja, dendê, mamona e mineral.

Na passagem pelo País, o JC testou o sedã por 6.400 quilômetros "cobertos quase todos de pé embaixo", de acordo com o texto de José Luiz Vieira, na edição de 12 de agosto de 1987. O consumo médio foi de 18,8 km/litro. Apesar de pequeno, o Elko movia os 1.250 kg do Audi 100 como se fosse o 1.8 a gasolina de um VW Santana.

A Elsbett segue na ativa, inclusive no Brasil, convertendo motores a diesel para óleo vegetal.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG