O fluxo de dólares para o Brasil passou a ser um dos maiores do mundo e o País poderá crescer em média quase 5% anualmente até 2014. Os dados e projeções estão sendo divulgados hoje pelo Banco de Compensações Internacionais (BIS, o banco central dos bancos centrais), que revela que a expansão nos países emergentes servirá de base para a recuperação dos países ricos.

Mas o BIS alerta que o mercado não confia na capacidade dos governos em lidar com o desafio da apreciação de moedas como o real. Só no segundo trimestre, a entrada de capitais ao Brasil somou US$ 15 bilhões.

O BIS admite que o mundo deixou a recessão. Mas faz sérias advertências: as incertezas sobre o crescimento são profundas e a volatilidade nos mercados não está superada. Os problemas em Dubai são o reflexo mais nítido das incertezas que ainda pairam sobre a economia mundial.

Por enquanto, a percepção é de que a recuperação está sustentada de forma perigosa apenas nas baixas taxas de juros e nas medidas de estímulo. O resultado é que, apesar dos dados positivos em vários mercados, a confiança do investidor continua "frágil".

Os países emergentes foram os que reagiram de maneira mais consistente e podem ajudar a sustentar a retomada da produção industrial nas nações ricas, diz o BIS.

"As grandes economias emergentes, como China, Índia e Brasil, que tiveram quedas menos pronunciadas de crescimento que os países avançados, se recuperaram de forma bem mais rápida e a previsão é de que se expandam em um ritmo substancialmente mais rápido nos próximos cinco anos", afirmou o banco.

O Brasil, diz o BIS, deve ter um crescimento de perto de 5% e praticamente estável entre 2010 e 2014. A projeção ainda indica que o Brasil crescerá menos que a Índia, com uma média de expansão de 7,5%. Na China, a expansão cairia de quase 10% em 2010 para cerca de 8% em 2014. Já nos Estados Unidos, a taxa deve ficar em 3,5%, acima da Europa e Japão.

Ao contrário dos países ricos, as economias emergentes vivem uma expansão dos créditos externos. O Brasil tem sido o maior exemplo disso, segundo o BIS. O País recebeu US$ 15 bilhões a mais em crédito apenas no segundo trimestre do ano. Entre os emergentes, só foi superado pela China, com US$ 49,2 bilhões e por Hong Kong, com US$ 46,8 bilhões.

O Brasil ainda fez emissões de US$ 35 bilhões em papéis no exterior. Desse total, US$ 23 bilhões foram emitidos pelo governo. No geral, a expansão de empréstimos internacionais para os países emergentes foi de US$ 77 bilhões no segundo trimestre, uma alta de 3,3% e a primeira elevação em um ano.

Mas a expansão dos créditos ao Brasil vem acompanhada de riscos. O principal deles é a apreciação da moeda brasileira diante do dólar em razão da entrada de capitais. "Nos últimos meses, isso (a apreciação) se tornou uma fonte significativa de preocupação em relação a exportação e estabilidade financeira (nos países emergentes)", afirma o BIS.

O banco lembra que o Brasil adotou um imposto de 2% sobre a entrada de capital estrangeiro para tentar frear o fluxo de dólares. Mas o fenômeno vem atingido outros mercados emergentes e Indonésia, India, Coreia e Taiwan também pensam em adotar as mesmas taxas. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.