Em São Paulo, 25 de Março tem escolta para compras http://ultimosegundo.ig.com.br/mauricio_stycer/2008/11/21/na_25_de_marco_ja_e_natal_2124889.html target=_topNa 25 de Março, vendas de Natal começaram em novembro" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Em tempos de crise, boas compras exigem planejamento e controle dos gastos

Gastar sem entrar ¿no vermelho¿ é a preocupação que ronda os brasileiros todo fim de ano. Em tempos de crise, os consultores financeiros recomendam disciplina e atenção redobradas na hora de ir às compras. Porém, ao seguir algumas dicas práticas, afirmam, é possível consumir com consciência e se preparar para 2009, que, segundo as previsões mais alarmistas, será um ano de dinheiro curto. http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/11/29/em_sp_25_de_marco_tem_escolta_para_compras_3097467.html target=_topEm São Paulo, 25 de Março tem escolta para compras http://ultimosegundo.ig.com.br/mauricio_stycer/2008/11/21/na_25_de_marco_ja_e_natal_2124889.html target=_topNa 25 de Março, vendas de Natal começaram em novembro

Marina Morena Costa, repórter do Último Segundo |

Acordo Ortográfico

A reportagem do iG montou um guia das boas compras com a ajuda dos consultores financeiros Gustavo Cerbasi, administrador e autor de livros, como Casais inteligentes enriquecem juntos; Reinaldo Domingos, autor de Terapia Financeira ¿ quebre o ciclo das gerações endividadas e construa sua independência financeira; e do economista e professor de finanças Luis Carlos Ewald, autor de "Sobrou Dinheiro! Lições de Economia Doméstica".

AE

Separar a verba

O primeiro passo para quem vai às compras é saber exatamente quanto poderá gastar e separar uma verba para o consumo. Ao fazer esta conta, de acordo com Gustavo Cerbasi, é importante não esquecer dos grandes gastos do começo do ano (matrículas, anuidades de instituições, material escolar, IPTU, IPVA, etc.).

O principal erro está em ir às compras acreditando que há um dinheiro a mais no bolso. A concentração de renda de dezembro deve privilegiar, em termos de consumo, os gastos do começo de 2009. As pessoas normalmente ficam no "vermelho", porque ignoram estas despesas e acabam com a verba adicional nas festas. Logo, entram em 2009 com problemas, explica Cerbasi.

Reinaldo Domingos alerta sobre a importância de controlar o orçamento, saber o quanto você ganha e o quanto gasta. Somente com o orçamento em ordem, é que devemos ir para as compras, diz.

Planejar o gasto

Com a verba separada, é hora de planejar como o dinheiro será gasto. A dica de Cerbasi para ter uma noção mais clara de quanto gastar com cada presente é fazer uma lista dos presenteados e dividir a verba entre as pessoas. Assim você tem uma estimativa de gasto médio por pessoa, e pode programar quem receberá os presentes melhores, afirma.

Para Domingos, o ideal é gastar o mínimo possível neste fim de ano. É aconselhável não dar presentes e sim lembranças. Neste momento aconselho não gastar e fazer reservas, devido à crise e a instabilidade que vamos enfrentar. Precisa-se traçar uma linha de reserva financeira para eventuais problemas, alerta. Luis Carlos Ewald endossa: não compre nada, guarde o dinheiro que for possível na poupança. Tempos difíceis estão por vir.

Pesquisar

Para uma boa compra, é importante pesquisar em pelo menos cinco lugares diferentes o mesmo produto, segundo Domingos. Quem quiser pesquisar deve aproveitar este mês para bater perna pelas lojas, avisa Cerbasi. É melhor pesquisar preços agora, enquanto o movimento menor no comércio permite, e aproveitar para barganhar, pechinchar.

Não se esqueça de pesquisar na internet, nas lojas virtuais. Elas oferecem excelentes negócios, pois praticam preços melhores do que os do comércio físico por terem bem menos custos para se manter, avalia Domingos.

Quando ir às compras?

Muito antes do Natal, nas vésperas das festas ou em janeiro de 2009? A verdade é que os consumidores podem encontrar boas oportunidades de compra em diversos períodos, basta pesquisar e negociar. Quanto mais longe do Natal, mais tranqüilo é o consumo e mais oportunidade de pechincha existe, afirma Cerbasi.

Já Edwald lembra que perto do natal os preços estarão melhores por causa das promoções 'queima-estoque'. Para Domingos, o melhor é ir às compras na segunda quinzena de janeiro. As lojas terão um excesso de estoque, porque muitos produtos não serão vendidos. Essa sobra entra em promoção e será muito maior em 2009, por causa das turbulências econômicas. As pessoas que tem paciência compram melhor e com consciência, avalia.

Pechinchar

Na correria de Natal, não há a menor margem para negociar com o vendedor. Quem quiser pechinchar, agora é o momento, avisa Cerbasi. Segundo o consultor, uma boa dica é comprar presentes para várias pessoas em um mesmo lugar. Escolha uma loja, um tema para o seu Natal, e compre vários produtos de uma só vez, porque, quanto maior a quantidade, mais fácil pechinchar com o vendendor, conta Cerbasi.

Para Domingos, os consumidores devem perder a timidez e pechinchar com os vendedores. Depois de pesquisar e encontrar o menor preço à vista, ainda é possível diminuir o valor a ser pago. Fale com o gerente e negocie um desconto. Elogie a loja, o produto, diga que você quer sair de lá com a mercadoria, mas pode gastar somente R$ 330, por um produto de R$ 350, por exemplo. Ele venderá mais barato, garante Domingos. 

Como pagar?

Os economistas são unânimes quanto ao pagamento: as compras devem ser pagas à vista. Todos devem comprar somente à vista, com o dinheiro que tem, sabendo que o ideal é guardar caixa para o ano que vem. Nada de parcelar, se endividar, para poder enfrentar o que vem pela frente, alerta o professor de finanças Ewald.

Cerbasi concorda: a recomendação, principalmente em função da crise, é entrar em 2009 sem problemas de 2008. É melhor apertar o cinto e pagar à vista, ou parcelar em poucas vezes (2 ou 3), porque jogar muito pra frente, aumenta o risco de em algum mês de 2009 entrar no vermelho e precisar de um empréstimo. Como o grande malefício da crise tem sido a escassez de crédito e o encarecimento dele, solicitar crédito neste período de crise pode ser muito mais caro do que em outros tempos.

Cerbasi resume o tom dos tempos: é um período de conservadorismo, de fazer escolhas que caibam no bolso e evitar ao máximo contar com a sorte ou com a renda extra e com os financiamentos.

Leia também:

Leia tudo sobre: boas compras

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG