Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Em grandes cidades, lojistas evitam receber em cheque

Temor com inadimplência e fraudes leva lojas nas grandes cidades a rejeitar esse instrumento

Danielle Assalve, iG São Paulo |

“Vocês aceitam cheque?” A reportagem do iG percorreu o Center 3, da avenida paulista, na cidade de São Paulo, para constatar o uso do cheque como meio de pagamento. O resultado é que, numa amostragem de 50 lojas, quase 80% das lojas não trabalham com esse instrumento.

“Cheque?! Mas quase ninguém mais usa isso. Já faz um tempo que nós só trabalhamos com dinheiro e cartão”, diz a vendedora de uma loja de calçados, que preferiu não se identificada. E nos casos em que o cheque é aceito, quase sempre existem restrições com relação ao valor da compra e ao parcelamento que, em geral, não ultrapassa três vezes sem juros.

A principal preocupação dos comerciantes é com o calote. Em especial nas grandes cidades, a redução no uso de cheques está diretamente ligada ao medo da inadimplência e à percepção mais acentuada de fraudes, afirma o diretor-adjunto de serviços da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Walter Tadeu Pinto de Faria. “Por outro lado, em muitas cidades do interior o cheque ainda é a regra, não a exceção. Isso porque prevalece a relação de confiança entre comerciantes e consumidores”, diz Faria.

De acordo com dados da Serasa Experian, em agosto a inadimplência com cheques sem fundos ficou em 1,62%, a menor desde fevereiro de 2005. No acumulado do ano até agosto, foram compensados pouco mais de 747,5 milhões de cheques, dos quais 13,6 milhões foram devolvidos. Esse é o menor volume de devoluções dos últimos seis anos.

O assessor econômico da Serasa Experian, Carlos Henrique de Almeida, afirma que a queda no número de cheques devolvidos não necessariamente significa que a inadimplência geral diminuiu. “O que acontece é que o cidadão inadimplente deixa de usar cheque e passa a usar mais o cartão, que oferece mais flexibilidade na hora de pagamento, com a opção de amortizar o valor mínimo da fatura”, diz Almeida.

Cheque x cartão

O uso de meios eletrônicos ainda encontra certa resistência por parte do comércio, principalmente por conta dos custos envolvidos. “O pagamento com cartão é prático e seguro, mas os custos são muito altos. Além de pagar pela máquina para processar a operação, ainda temos as taxas que estão numa faixa de 3% a 6%. Isso sem falar que a liquidez não é imediata, o comerciante vai receber o pagamento em um prazo longo, em geral de 30 dias”, afirma o assessor econômico da Fecomercio, Altamiro Carvalho.

Segundo ele, por uma venda de R$ 100 no cartão de crédito, o comerciante vai receber um valor líquido de aproximadamente R$ 90 (a valor presente). Já no caso do cheque, além de ter liquidez praticamente imediata, não há desconto no valor a ser recebido pelo comerciante. “O custo oportunidade do cartão é muito alto, e isso acaba tendo de ser repassado para o consumidor”, afirma Carvalho. O assessor da Fecomercio defende a prática de preços diferenciados para pagamentos com cartão, o que é proibido no Brasil. “Se esses custos fossem repassados para o preço com cartão, o cliente que paga à vista estaria pagando um preço justo”.

Leia tudo sobre: Chequedinheirocartão de créditoserasafecomercio

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG