A Bolsa de Nova York caiu, nesta quarta-feira, ao nível mais baixo dos cinco últimos anos, em um mercado abalado pela deterioração da economia e o desabamento dos valores financeiros: o Dow Jones perdeu 5,07% e o Nasdaq, 6,53%.


Segundo os números definitivos do fechamento, o Dow Jones Industrial Average (DJIA) caiu 427,47 pontos, para 7.997,28 unidades, atingindo seu nível mais baixo desde o dia 31 de março de 2003.

O Nasdaq, de alto componente tecnológico, perdeu 96,85 pontos, fechando a 1.386,42 unidades, o nível mais baixo desde abril de 2003.

Já o índice ampliado Standard & Poor's 500 perdeu 6,12% (52,54 pontos), fechando com 806,58 pontos.

Segundo Art Hogan, da Jefferies, o mercado foi "surpreendido" pela publicação das minutas do Federal Reserve, que reduziu suas previsões de crescimento para 2009 e já não descarta mais uma queda do Produto Interno Bruto (PIB). "Eles modificaram suas previsões sobre o desemprego e o crescimento", destacou Hogan.

Outro elemento que agravou a queda de Wall Street foi o desabamento das instituições financeiras na Bolsa. A decisão do secretário do Tesouro, Henry Paulson, de não usar parte dos US$ 700 bilhões colocados a sua disposição pelo Congresso até a posse do próximo presidente, Barack Obama, aumentou a pressão no setor financeiro, explicou o analista da Jefferies.

O terceiro elemento é a possibilidade de que o Congresso ignore o pedido das montadoras para duplicar a verba atribuída ao setor automobilístico.

Os presidentes das três maiores montadoras americanas, Ford, General Motors e Chrysler, estiveram em Washington para pedir mais US$ 25 bilhões para evitar a falência de suas empresas.

Ao contrário, o mercado de obrigações terminou em alta. O rendimento do bônus do Tesouro de 10 anos caiu para 3,391%, contra 3,535% na noite de terça-feira, e o de 30 anos desceu para 3,972%, contra 4,144% na véspera.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.