A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), abriu hoje em queda, puxada pela baixa dos preços do petróleo diante do feriado norte-americano do Dia do Trabalho. Às 10h14, o índice Ibovespa recuava 1,04%, aos 55.

106,2 pontos. Os contratos futuros de petróleo são negociados em baixa esta manhã, enquanto os operadores esperam para avaliar os danos causados nas refinarias e oleodutos pelo furacão Gustav depois de sua passagem pela costa da Louisiana, prevista para esta manhã. Às 10h14 (de Brasília), o contrato futuro de petróleo tipo WTI era cotado na faixa de US$ 113,29 o barril no pregão eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), baixa de 1,88%.

Os metais preciosos, bússola igualmente importante para a Bovespa, registram leve retração, com interesse reduzido pelos contratos devido à ausência dos participantes norte-americanos. A valorização do dólar frente ao euro também ajuda a pressionar os metais preciosos.

Sem mercado nos EUA, o outro foco das atenções além das matérias-primas (commodities) é a Europa, onde as bolsas são pressionadas pelo setor financeiro, com o Commerzbank na liderança, depois de confirmar a aquisição do Dresdner Bank por US$ 14,5 bilhões. Em Londres, as ações caíam com os comentários do ministro das Finanças do Reino Unido, Alistair Darling, de que a perspectiva para a economia britânica pode ser considerada "a pior dos últimos 60 anos". Mas o recuo nos preços do petróleo limitava as perdas.

Ainda no setor financeiro, destaque para a notícia do jornal Daily Telegraph de que o Lehman Brothers está perto de levantar até US$ 6 bilhões do Banco de Desenvolvimento da Coréia do Sul, que em troca deverá ficar com uma fatia na instituição financeira de Wall Street.

Setembro começa com a esperança de melhora do volume financeiro na Bovespa com o fim das férias de verão no Hemisfério Norte. Mas o ambiente no curto prazo continua muito difícil e o mercado deve seguir trabalhando apenas o curto prazo dado que as incertezas em relação ao tamanho da desaceleração da economia mundial e à trajetória das commodities não se dissiparam. Há quem avalie que o fluxo de capital estrangeiro dificilmente deverá retornar para a Bolsa antes das eleições nos EUA, marcadas para o dia 4 de novembro. Enquanto isso, a torcida é para que a Bovespa oscile entre os 55 mil e 57 mil pontos.

Hoje começa a valera a nova carteira teórica do Ibovespa, que vai vigorar até o final do ano, mas o ajuste maior ocorreu na sexta-feira. O destaque é a entrada das ações ordinárias (ON) da BM&FBovespa como o terceiro ativo de maior peso dentro do índice, atrás apenas de Petrobras e Vale. Os papéis ON da operadora de cartões Redecard também passam a fazer parte do índice. As ações preferenciais (PN) da CCP e da Telemig Celular deixaram de integrar o Ibovespa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.