Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Em 6 anos, alta é a maior para os mais pobres

A inflação das famílias mais pobres atingiu em março o nível mais alto dos últimos seis anos. O Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1), que mede o impacto de preços entre famílias com ganhos mensais até 2,5 salários mínimos, subiu 1,40%; em fevereiro, a alta havia sido de 0,90%.

AE |

A inflação das famílias mais pobres atingiu em março o nível mais alto dos últimos seis anos. O Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1), que mede o impacto de preços entre famílias com ganhos mensais até 2,5 salários mínimos, subiu 1,40%; em fevereiro, a alta havia sido de 0,90%. A taxa, calculada pela Fundação Getúlio Vargas, foi a mais intensa da série histórica, iniciada em 2004. Os alimentos, encarecidos pela chuva, foram os principais responsáveis pelo aumento. "A inflação dos alimentos no IPC-C1 bateu recorde, com alta de 3,31%", disse o economista da FGV André Braz. O aumento no mês foi tão forte que superou também a média da inflação varejista das famílias de maior poder aquisitivo. O Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-BR) subiu 0,86% no mês passado. A alta não deve prosseguir em abril. "Não acho que os alimentos continuem a subir deste jeito. Na margem, notamos que os preços dos in natura estão subindo menos. Ou seja, é possível que eles continuem a desacelerar até o final do mês." IGP-M. O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), usado para reajustar o preço do aluguel, perdeu força em sua primeira prévia de abril. O indicador desacelerou de 0,95% da primeira prévia para 0,27%. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.
Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG