Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Eletrobrás investirá R$ 7,8 bi em 2009, o dobro de 2008

BRASÍLIA - A Eletrobrás vai investir R$ 7,8 bilhões em 2009, exatamente o dobro dos R$ 3,9 bilhões investidos no ano passado. Do total, cerca de R$ 6 bilhões são para geração e transmissão e o restante para distribuição. Segundo o presidente da estatal, José Antônio Muniz Lopes, apesar de a Eletrobrás não ter cumprido em 2008 sua previsão orçamentária de R$ 5 bilhões, este ano será diferente, por conta do volume de obras que entraram na lista para começarem a ser feitas.

Agência Estado |

Segundo ele, a maior parte dos investimentos virá da geração de caixa próprio da empresa. Pelo menos R$ 2 bilhões estão garantidos pelo fundo de financiamento às controladas. Ele não descartou, porém, que a companhia vá a mercado para fazer captações com intenção de completar os seus investimentos. "Para a Eletrobrás não há crise. Não sofreremos os efeitos", garantiu Muniz.

Ele participou ao lado de todos os presidentes das coligadas da Eletrobrás e do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, da discussão para a elaboração do primeiro plano de negócios da estatal, que vai compreender o período entre 2009 e 2019. Neste momento, o conselho da Eletrobrás está reunido discutindo o Programa de Ações Estratégicas, que servirá de base para este plano de negócios. Segundo Muniz, a intenção é de que a aprovação do plano ocorra em reunião extraordinária prevista para o dia 13 de fevereiro.

Segundo ele o Programa de Ações Estratégicas prevê quatro pontos de partida para a empresa, que são uma melhor governança corporativa, em busca do nível 2 da Bovespa ainda este ano, uma reestruturação das distribuidoras, reformulação dos investimentos e reorganização da estrutura da empresa. Neste último item não está descartada a criação de uma holding ou subsidiária para gerir as ex-federalizadas.

Ele lembrou que já está sendo tratado o trâmite burocrático para que a Eletrobrás receba os US$ 500 milhões que o Banco Mundial vai destinar à reestruturação destas distribuidoras. O Banco Mundial também concedeu US$ 380 mil para a contratação de empresa especializada para auxiliar na reestruturação.

Leia tudo sobre: eletrobrás

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG