Tamanho do texto

A Eletrobrás vai apoiar todas as empresas que participarem do leilão de Belo Monte. O ministro de Minas e Energia, Edson Lobão, lembrou que a estatal possui 16 subsidiárias -- número, segundo ele, mais que suficiente para entrar nos consórcios que estão se formando para disputar a construção e a concessão da usina hidrelétrica.

A ideia do governo é apoiar cada consórcio com duas empresas do grupo Eletrobrás. Eletronorte, Eletrosul, Chesf e Furnas já estariam preparadas para se unir, em pares, aos dois grupos de empresas privadas que se preparam para o leilão. Por enquanto são conhecidos dois consórcios, mas o surgimento de outros grupos não é descartado pelo ministro. 

O ministro disse que o governo define nesta semana a que grupo cada empresa do governo vai se associar para o leilão da usina. A concorrência está prevista para o dia 20 de abril. A Vale divulgou nota informando parceria com Andrade Gutierrez, Votorantim e Neonergia. De outro lado, estariam as construtoras Camargo Correa e Odebrecht, além da distribuidora de energia CPFL.

O presidente da Eletrobrás, José Antônio Muniz Lopes, confirmou que as empresas da Eletrobrás poderão ter até 49% de cada consórcio. O governo não quer ser majoritário no projeto. Lobão disse que vai definir a presença das estatais antes do leilão porque as empresas solicitaram. "Estamos atendendo a uma solicitação das empresas, que se sentem mais seguras com a presença da Eletrobrás", disse, durante solenidade de lançamento da nova marca da holding.

Lobão afirmou que "faz parte da natureza das empresas" reclamar do preço que o governo estabelece nas licitações. O teto para a construção de Belo Monte ficou definido em R$ 19 bilhões, segundo indicação da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Cada MegaWatt/hora produzido pela usina custará no máximo R$ 83 segundo o teto estabelecido. Vence o leilão quem oferecer a menor tarifa.

No caso de Santo Antônio, no Rio Madeira, as empresas que participaram requeriam do governo o dobro do teto estabelecido, segundo ele. O preço no leilão foi de R$ 78 por MW/hora. O valor de Belo Monte, segundo ele, pode ficar aquém do preço definido para Santo Antônio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.