Viena, 10 set (EFE) - O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Mohamed ElBaradei, abandonará o cargo em 2009, após 12 anos à frente do organismo encarregado de zelar pelo uso pacífico da energia atômica.

A confirmação foi feita à Efe por fontes da AIEA, as quais disseram que ElBaradei anunciou que não "está disponível" para renovar seu mandato, um processo que começa agora com a apresentação de candidaturas até 31 de dezembro.

ElBaradei completará em 2009 seu terceiro mandato consecutivo como principal responsável da AIEA, durante os quais dirigiu as inspeções no Iraque em busca de armas de destruição em massa prévias à invasão por parte dos Estados Unidos, em 2003.

Ele se opôs à intervenção militar, alegando que os inspetores não puderam constatar que o regime de Saddam Hussein teria reativado seu programa nuclear.

O diplomata egípcio, de 66 anos, também esteve à frente da AIEA no processo de inspeções do plano nuclear do Irã, sobre o qual o organismo ainda tenta verificar se seu alvo é militar ou civil.

Os testes atômicos da Coréia do Norte ou o bombardeio israelense de supostas instalações nucleares sírias foram outros dos assuntos os quais a AIEA enfrentou durante o mandato de seu atual diretor.

Sua postura de diálogo com Teerã foi criticada pelos Estados Unidos, que defendem uma política mais agressiva contra a república islâmica.

Washington resistiu a aceitar seu terceiro mandato à frente da AIEA em 2004, mas teve que ceder ao desejo da maioria dos países que o apoiaram.

Em 2005, ElBaradei e a AIEA receberam o Prêmio Nobel da Paz.

Nascido em 17 de junho de 1942 no Cairo no seio de uma família de advogados, ElBaradei estudou Direito e passou, em 1964, ao Ministério de Assuntos Exteriores.

Trabalhou na representação do Egito perante a ONU em Nova York e Genebra e em 1980 foi contratado pela ONU como responsável do programa educativo de direito internacional no Instituto das Nações Unidas para a Pesquisa.

Em 1984, entrou na AIEA, a cuja direção chegou em 1997.

Os Estados-membros podem agora apresentar seus candidatos para que o Conselho de Governadores, o órgão executivo da AIEA, tente chegar a um consenso em sua sessão de junho de 2009 e a Conferência Geral possa nomear o novo diretor em setembro.

ElBaradei deve abandonar o cargo em novembro de 2009. EFE as/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.