Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Economia global ainda está em perigo--economista do FMI

WASHINGTON (Reuters) - A economia global se distanciou da iminência de uma catástrofe financeira, mas ainda não está inteiramente fora de perigo, disse o economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI). A mensagem dos mercados financeiros até este ponto é que foi feito um progresso, mas ainda é muito cedo para declarar vitória, escreveu Olivier Blanchard na edição de dezembro da revista Finance & Development.

Reuters |

"Apesar de a crise financeira ter se moderado de certa forma em economias avançadas, ela englobou de forma crescente economias emergentes", acrescentou ele.

Blanchard disse que medidas coordenadas por parte de grandes economias, com a finalidade de estabilizar os mercados ao recapitalizar bancos e comprar ativos ruins, ajudaram a dar apoio ao sistema financeiro global, mas a implementação destes programas tem estado longe do ideal.

Com base nas expectativas de que o preço de moradias irá se recuperar em 2009 e de que a desalavancagem irá diminuir, o FMI acredita que o crescimento em economias avançadas se tornará positivo em 2010.

MERCADOS EMERGENTES

Após vários anos de crescimento turbinado, a expansão em economias desenvolvidas e emergentes deve se moderar à medida que os preços globais de commodities caem e o crédito continua restrito. Qualquer perspectiva de que economias emergentes permanecerão imunes a uma desaceleração das grandes economias agora desapareceu, acrescentou ele.

Blanchard disse que, com as taxas de juro baixas e pouco espaço em alguns países para cortar a taxa ainda mais, estímulos fiscais devem passar a ter o papel principal.

"Qual deve ser o tamanho da expansão e quais países devem propiciar o estímulo?", perguntou ele. "Nós chegamos à conclusão de que, neste momento, o objetivo deve ser um impulso fiscal de cerca de 2 por cento do Produto Intero Bruto global"

Isso se traduziria num crescimento global 2 por cento maior e ajudaria o mundo a evitar uma recessão profunda, disse ele.

(Reportagem de Lesley Wroughton)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG