Washington, 26 set (EFE) - A economia americana cresceu 2,8% no segundo trimestre deste ano, quando ainda não havia se manifestado com intensidade a crise financeira atual, e ficou muito abaixo do que o Governo havia calculado anteriormente. Segundo os números divulgados hoje pelo Departamento de Comércio americano, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu entre abril e junho a um ritmo anual de 2,8%, enquanto o Governo havia calculado previamente 3,3%. A maioria dos analistas esperava que o valor definitivo para o segundo trimestre seria de 3,4%, o que teria representado uma correção para cima de um décimo. No primeiro trimestre, o ritmo anual de crescimento da maior economia mundial foi de 0,9%. A correção dos números se deveu, principalmente, a dados mais detalhados sobre a redução do gasto dos consumidores, que, nos Estados Unidos, equivale a mais de dois terços do PIB, e dos investimentos governamentais. A restrição do crédito, como resultado da queda da especulação sobre hipotecas de alto risco (subprime), afetou os consumidores que já lidavam com altas nos preços da gasolina, com a depreciação de imóveis e com o aumento do desemprego. Os cálculos mais recentes da maioria dos analistas prevêem um crescimento no terceiro trimestre em torno de 1%, e as previsões para o quarto trimestre são ainda mais sombrias. Nos últimos quatro trimestres, a economia cresceu apenas 2,1%, abaixo do aumento de 2,75% que a maioria dos economistas considera sau...

Entre abril e junho, a despesa dos consumidores cresceu em ritmo anual de 1,2%, cinco décimos a menos que o calculado inicialmente, apesar de nesse trimestre os consumidores terem recebido um estímulo de cerca de US$ 150 bilhões em devoluções de impostos.

Outro fator para a deterioração da atividade econômica foi o enfraquecimento do mercado de trabalho: os EUA tiveram perda líquida de postos de trabalho em cada mês deste ano, e em agosto o índice de desemprego subiu para 6,1%, o mais alto em cinco anos.

No segundo trimestre, as exportações aumentaram 12,3% e as importações caíram 7,3%, o que aponta para um déficit comercial no ano de US$ 381,3 bilhões.

A melhora da balança comercial contribuiu em 2,9 pontos percentuais para o crescimento do PIB.

Caso se excluísse o comércio exterior, o PIB dos EUA no segundo trimestre teria se contraído em um ritmo de 0,1%.

O relatório de hoje corrigiu também os valores dos lucros empresariais.

Os lucros, ajustados pelo valor de inventários e pela depreciação de despesas de capital, caíram entre abril e junho 3,8% e ficaram em US$ 1,53 trilhão anual. O cálculo inicial havia apontado diminuição de 2,4%. EFE jab/fh/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.