A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou nesta quarta-feira que no momento atual é difícil prever a duração e profundidade da crise financeira internacional. Para Dilma, a situação é mais grave do que a crise de 1929 e também do que as crises dos anos 90.

"Na década passada, as crises foram gestadas em países emergentes e eram de bilhões de dólares. Essa se dá no centro da economia internacional e é uma crise de trilhões."

A ministra reforçou hoje o discurso de autoridades do governo durante a audiência pública na Câmara, reiterando que o Brasil encontra a crise em uma situação diferente. "Estamos em uma posição diferenciada. Estamos em uma situação de crescimento. A tese do governo é que temos condições de enfrentar a crise e aproveitar as oportunidades dela recorrentes." A ministra disse ainda que o choque no crédito e as turbulências "provocaram uma crise no receituário neoliberal de Estado mínimo."

Palocci

A ministra da Casa Civil elogiou o desempenho do deputado Antonio Palocci (PT-SP), na época em que foi ministro da Fazenda. Durante a audiência pública na Câmara, a ministra fez referência a Palocci, que participa da audiência, e disse: "está aqui o ministro Palocci, que foi o responsável por essa construção mais sólida da economia". O elogio foi feito no momento em que a ministra explicava que a situação do Brasil hoje é mais tranqüila do que em crises anteriores, pelo fato de agora o Brasil ser credor líquido, o que faz com que a alta do dólar acabe reduzindo a relação entre a dívida e o Produto Interno Bruto (PIB).

Leia também

Para saber mais

Serviço 

Opinião

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.