O mercado norte-americano de ações fechou com os principais índices em direções divergentes, o Dow Jones e o S&P-500 em alta e o Nasdaq em leve baixa. O dia foi marcado por indicadores econômicos mais fortes do que se previa, por nova alta do dólar e por novas quedas dos preços do petróleo e de outras matérias-primas (commodities).

Segundo o estrategista Steven Goldman, da Weeden & Co., o movimento recente dos preços das commodities "sugere que um pico foi alcançado; haverá repiques no futuro, mas o enorme movimento de alta que havíamos visto anteriormente está concluído".

As ações do setor de consumo estavam entre as que mais subiram, em especial as das redes do comércio varejista, depois da divulgação dos informes de resultados de três delas no segundo trimestre (Kohl's ganhou 7,29%, Nordstrom avançou 4,37% e Abercrombie & Fitch disparou 8,44%). As da Wal-Mart subiram 2,19% e as da Procter & Gamble avançaram 2,71%.

No setor financeiro, as ações da Ambac Financial subiram 24,56% e as da MBIA avançaram 8,72%, depois de a agência de classificação de risco Standard & Poor's concluir a revisão de suas notas de crédito (ratings) sem rebaixá-las. As do Wachovia recuaram 1,52%, depois de o banco concordar em recomprar US$ 8,5 bilhões em títulos de leilão de taxas (auction-rate securities) para evitar um processo judicial por parte do procurador-geral do Estado de Nova York. As ações do setor de petróleo caíram, em reação à nova baixa dos preços do produto (ExxonMobil recuou 0,49% e Chevron perdeu 2,69%).

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,38%, em 11.659,90 pontos. O Nasdaq fechou em baixa de 0,05%, em 2.452,52 pontos. O S&P-500 subiu 0,41%, para 1.298,20 pontos. O NYSE Composite recuou 0,03%, para 8.383,67 pontos. Na semana, o Dow Jones acumulou uma queda de 0,63%, o Nasdaq, uma alta de 1,59% e o S&P-500, um ganho de 0,15%. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.