amp; P 500 desaba para menor nível em 11 anos - Home - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dow Jones cede mais de 5% e S amp; P 500 desaba para menor nível em 11 anos

SÃO PAULO - Os principais indicadores acionários das bolsas de Nova York desabaram nesta quinta-feira e atingiram mínimas históricas. Mais uma vez, bancos, montadoras e a confirmações de contração econômica seguraram os índices em território negativo.

Valor Online |

 

Ao final do pregão, o índice Dow Jones apontava baixa de 5,27%, aos 7.553 pontos, menor pontuação em cinco anos e meio. A bolsa eletrônica Nasdaq perdeu 5,07%, para 1.316 pontos, e o S & P 500 teve desvalorização de 6,71%, para 752 pontos, menor patamar em 11 anos.

Uma tentativa de alta se formou durante a tarde, depois que saíram notícias indicando que os senadores tinham fechado um acordo preliminar para ajudar as montadoras. Mas o alívio foi momentâneo. Pouco depois, o líder na maioria do Senado, Harry Reid, disse que a Ford, General Motors e Chrysler devem apresentar um novo plano para ser apreciado pelo Congresso mostrando como o dinheiro irá transformar a indústria.

Reid também afirmou que o assunto voltará a ser discutido no começo de dezembro, desde que as empresas venham com um projeto nesses moldes. Desde o começo da semana os três símbolos da indústria norte-americana tentam arrancar US$ 25 bilhões do governo para seguir atuando.

Ao final do pregão, a ação da General Motors ainda apontava alta de 3,23%. Durante o dia, a ação chegou a cair 35%, batendo US$ 1,70, nova mínima de preço não observada desde 1938.

Em um desdobramento dessa história, a GMAC, braço financeiro da GM, pediu autorização para virar banco e poder pegar dinheiro com o governo. Tal estratégia já foi utilizada por outras instituições, como a American Express. A unidade da GM também anunciou um plano para trocar dívida por participações na empresa. No final do dia, a empresa foi "agraciada" com uma redução na classificação de risco pela Standard & Poor`s.

Além da preocupação com os bancos e as montadoras, os investidores digeriram mais sinais de fraqueza econômica. Segundo o Departamento de Trabalho, os pedidos por seguro-desemprego aumentaram em 27 mil na semana encerrada dia 15 de novembro, somando 542 mil, maior patamar já registrado desde julho de 1992.

Leitura negativa também veio com o índice de atividade do Federal Reserve (Fed), banco central norte-americano da Filadélfia, que ficou em -39,3 pontos, contra -37,5 pontos no mês anterior.

E o Conference Board anunciou que índice dos indicadores antecedentes dos Estados Unidos diminuiu 0,8% em outubro, após avançar 0,1% um mês antes.

O setor financeiro continuou perdendo valor. A descrença que cerca do Citigroup não cedeu mesmo depois que o príncipe saudita Alwaleed bin Talal deu um voto de confiança à gerência do Citi e anunciou que elevará sua participação no capital do banco de menos de 4%, para 5%. O papel perdeu 26,41%, depois de cair 23% na quarta-feira. Ainda no setor, o JP Morgan perdeu 17,88%, após notícias indicarem que o banco cortará 10% do pessoal na área de banco de investimento.

Leia tudo sobre: wall street

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG