Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dow Chemical estuda ações legais contra Kuwait por anular projeto comum

Nova York, 6 jan (EFE).- A multinacional Dow Chemical anunciou hoje que estuda a possibilidade de iniciar ações legais contra o Kuwait por ter cancelado o acordo que a petroquímica tinha firmado com esse país para criar um projeto conjunto avaliado em US$ 17,4 bilhão.

EFE |

"Estamos tristes com a notícia, foi algo totalmente inesperado, levando as autorizações que já tínhamos recebido e o comportamento e as palavras de nossos parceiros", assegurou hoje em comunicado o executivo-chefe da companhia, Andrew Liveris.

A ruptura dessa "joint venture" em 31 de dezembro, apenas alguns dias antes de seu lançamento, atrapalhou ainda os planos que a petroquímica tinha para comprar sua concorrente Rohm & Haas, uma operação anunciada em julho do ano passado e avaliada inicialmente em US$ 18,8 bilhões.

A Dow Chemical pretendia utilizar os fundos obtidos com o projeto frustrado para pagar parte da dívida contraída para adquirir a Rohm & Haas.

Segundo os termos do acordo, a Dow venderia 50% das ações de cinco de suas empresas à companhia petrolífera pública kuwatiana, Petrochemical Industrial Company (PIC), por cerca de US$ 9,5 bilhões.

As duas firmas também se comprometeram a utilizar parte desses ativos na criação de uma empresa conjunta dedicada à fabricação e comercialização de plásticos, com 50% para cada lado na nova sociedade, que se chamaria K-Dow Petrochemicals.

Diante da ruptura unilateral por parte do Kuwait, a gigante americana da química anunciou hoje que vai iniciar "uma ampla gama de mecanismos jurídicos e financeiros para manter a companhia no caminho necessário para completar sua estratégia de transformação corporativa, iniciada em 2005".

"Iniciar ações legais não é uma decisão que tomamos superficialmente, especialmente porque temos alianças a longo prazo que estabelecemos no Kuwait na última década, mas a PIC descumpriu seu contrato e devemos adotar medidas para proteger os interesses de nossa companhia e nossos acionistas", explicou Liveris. EFE mgl/mh

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG