Tamanho do texto

Empresário Zong Qinghou, dono da famosa marca de água mineral e bebidas Wahaha, lidera a lista de ricos do país

O empresário Zong Qinghou, de 64 anos e dono da famosa marca de água mineral e bebidas Wahaha, é o homem mais rico da China, segundo a lista elaborada anualmente pela revista econômica "Hurun".

Zong Qinghou: homem mais rico da China tem fortuna de US$ 12 bilhões
Getty Images
Zong Qinghou: homem mais rico da China tem fortuna de US$ 12 bilhões
O "rei das bebidas", como é conhecido na China, acumula uma fortuna de US$ 12 bilhões. O patrimônio do homem mais rico da China é bem menor que a fortuna de Eike Batista, que lidera a lista de bilionários do Brasil com US$ 27 bilhões.

O segundo homem mais rico da China é Li Li, com uma fortuna de US$ 6 bilhões. Li é dono da empresa farmacêutica Hepalink, cujo principal negócio é a comercialização de heparina, um anticoagulante.

Na terceira posição, com um patrimônio de US$ 5,6 bilhões, está a mulher mais rica do país, Zhang Yin, que construiu seu império a partir da empresa de papel reciclado Nine Dragons Paper.Yin é casada com um brasileiro.

A lista completa será publicada em outubro, mas a "Hurun" antecipou esta semana os seis primeiros classificados. Além dos três já citados, estão ainda Liang Wengen (da empresa de maquinaria pesada Sany), Robin Li (dono do buscador Baidu, o grande rival chinês do Google) e Yann Bin (proprietário do conglomerado Ruoy Chai, que se dedica a vários setores, desde o imobiliário às bebidas).

Em 2009, a lista trazia como homem mais rico da China o presidente e fundador da companhia automobilística BYD, Wang Chuanfu, de 43 anos, que desta vez está na 12ª posição. O primeiro colocado de 2010 estava em terceiro no ano passado.

A Wahaha foi envolvida em longo processo legal com a marca francesa Danone, que acusou a rival chinesa de produzir os mesmos produtos lácteos que a companhia mista que as duas firmas compartilhavam no gigante asiático. O conflito terminou este ano, com a venda por parte da Danone de sua participação na empresa mista à Wahaha.

A "Hurun", que começou a elaborar estas listas em 1993, destacou que a classificação de 2010, pela primeira vez, não tem nos primeiros cinco lugares nenhum empresário do setor imobiliário, um dos mais beneficiados nos últimos anos pelo rápido crescimento da economia chinesa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.