SÃO PAULO - A Laep, controladora da Parmalat, informou hoje, por meio de fato relevante, que vai adiar a publicação do seu balanço referente a 2008 por conta da reestruturação da dívida anunciada na semana passada. Segundo a empresa, a transação, que envolve o cancelamento de debêntures e a venda de ativos, gera impacto nas demonstrações financeiras do ano passado. A Laep acrescenta que a Ernst & Young, que audita seus balanços, pediu um prazo adicional para avaliar os impactos da reestruturação da dívida. A empresa diz, portanto, que só poderá preparar o balanço após esta análise, que deve terminar apenas no fim de abril.

Na noite da quinta-feira, a Laep anunciou a reestruturação da dívida de R$ 117 milhões em debêntures. Os papéis, atualmente em poder do FIDC Não-Padronizado Alemanha Multicarteira, administrado pelo Morgan Stanley, serão adquiridos por dois grupos, que se tornarão os novos credores da Parmalat.

O primeiro responde por Emerging Markets Special Situations 3 Limited (EMSS) e comprará debêntures em montante correspondente a R$ 52,425 milhões. O valor será convertido em uma dívida de US$ 20 milhões, com vencimento em 18 meses e conversível em 89.285.713 ações classe A da Laep. Quando a operação for realizada, os detentores de BDRs poderão exercer seu direito de preferência para não haver diluição.

A fatia remanescente das debêntures detidas, no valor de cerca de R$ 64,575 milhões, será comprada pela Companhia Brasileira de Agronegócios e Alimentação, que receberá em troca algumas empresas da Laep, como Integralat e Companhia Brasileira de Lácteos. Esta última é dona de ativos como a chamada "unidade de fornos" da Parmalat, que produz biscoitos. Também é dona da fábrica de Itaperuna (RJ) e das marcas Duchen e Glória, entre outras, além de um centro de distribuição em São Paulo.

A empresa informou ainda que a operação possui condições pelas quais o negócio poderá ser desfeito até o dia 17 de abril próximo.

(Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.