Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar sobe pelo 4º dia seguido e fecha a R$ 2,37

O dólar fechou em alta pela quarta vez consecutiva ontem, após forte disparada no fim do pregão em meio às incertezas sobre a saúde econômica global, apesar das diversas operações do Banco Central no mercado doméstico. A moeda norte-americana subiu 3,8%, a R$ 2,37.

Agência Estado |

Nesta semana, o dólar acumula alta de quase 10%.

Nos últimos minutos antes do fechamento, a cotação disparou, chegando a atingir a máxima a R$ 2,4. O dólar subiu, apesar da atuação pesada do Banco Central. O BC emprestou dólares a exportadores, vendeu a moeda americana aos bancos e ainda ofereceu proteção cambial com contratos futuros. Mesmo assim, prevaleceu a trajetória e a moeda fechou em alta.

Na maior operação do dia, foram repassados US$ 1,3 bilhão a 12 bancos que devem emprestar o dinheiro em financiamentos ao comércio exterior. Esses recursos devem ser devolvidos ao BC daqui a um ano, em 12 de novembro de 2009. Nessa operação, os bancos podem entregar os próprios contratos de financiamento como garantia do empréstimo.

Essa foi a segunda investida do BC em menos de dez dias para tentar aumentar a oferta de dólares para exportadores. Dados do próprio BC mostram que o crédito para o setor caiu 51,3% na primeira semana de novembro na comparação com a média de outubro, para US$ 78,2 milhões por dia.

A outra intervenção foi com a venda de contratos de swap cambial - que equivalem à venda de dólar no mercado futuro e são usados para proteção contra a variação da moeda norte-americana. Na operação, bancos compraram US$ 493,1 milhões desses contratos. Esse instrumento é bastante usado por empresas que têm, por exemplo, dívida em dólar e precisam garantir uma taxa de câmbio mínima para os pagamentos futuros.

O BC agiu, ainda, com a venda de dólares direta no mercado à vista. Em dois leilões, a autoridade monetária teria vendido pelo menos US$ 500 milhões, segundo alguns agentes do mercado. A autoridade monetária não divulga os volumes vendidos nessas operações.

Segundo Mario Battistel, gerente da Fair Corretora, o salto da moeda norte-americana foi mais um movimento especulativo, ressaltando que os investidores estrangeiros possuem fortes posições compradas - que funcionam como uma aposta contra o real.

De acordo com o últimos dados atualizados pela Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), os estrangeiros possuíam mais US$ 13 bilhões em posições compradas.

Battistel ponderou que a valorização do dólar ontem se deve a outros fatores, como os comentários do secretário do Tesouro norte-americano, Henry Paulson, na véspera e as notícias de que Alemanha entrou em recessão econômica.

"Houve uma pressão de saída, temos uma demanda mais forte", afirmou Luis Piason, gerente de operações de câmbio, lembrando que o volume de negócios desta sessão está acima da média dos últimos dias. Piason reforçou ainda que o Banco Central precisa usar "todo o seu arsenal" para conter o valorização da moeda norte-americana.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG