SÃO PAULO - À parte da instabilidade do mercado externo, os vendedores seguem pautando os negócios no mercado de câmbio, onde o dólar comercial firma posição abaixo de R$ 1,80. Depois de uma breve tentativa de alta pela manhã, por volta das 14h30, o dólar comercial apresentava queda de 0,50%, a R$ 1,784 na venda. No mercado futuro, o dólar com vencimento em julho, negociado na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), apontava desvalorização de 0,27%, a R$ 1,7895, depois de subir a R$ 1,805. E no câmbio externo, o euro não ganha do dólar, mas defende a linha de US$ 1,23.

SÃO PAULO - À parte da instabilidade do mercado externo, os vendedores seguem pautando os negócios no mercado de câmbio, onde o dólar comercial firma posição abaixo de R$ 1,80. Depois de uma breve tentativa de alta pela manhã, por volta das 14h30, o dólar comercial apresentava queda de 0,50%, a R$ 1,784 na venda. No mercado futuro, o dólar com vencimento em julho, negociado na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), apontava desvalorização de 0,27%, a R$ 1,7895, depois de subir a R$ 1,805. E no câmbio externo, o euro não ganha do dólar, mas defende a linha de US$ 1,23. Como acontece toda a quarta-feira, o Banco Central mostrou o fluxo cambial parcial. Na segunda semana do mês, o resultado foi negativo em US$ 1,5 bilhão, com saídas pela conta comercial e financeira. Mesmo com fluxo negativo, o BC tirou US$ 301 milhões do mercado. Com isso, o saldo líquido no mercado ficou negativo em US$ 1,8 bilhão. Ainda assim, o dólar comercial acumulou queda de 2,31% na semana. Tal comportamento da moeda dá força à percepção de que não é o fluxo, mas sim as operações que acontecem no mercado futuro que determinam a formação de preço do dólar. (Eduardo Campos | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.