Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar reflete bom humor externo e fecha a R$ 2,275, baixa de 2,36%

SÃO PAULO - O novo plano de ajuda aos bancos norte-americanos, que ainda não foi divulgado oficialmente, abriu o apetite por risco dos investidores, que derrubaram o dólar para baixo de R$ 2,30 pela primeira vez desde 12 de janeiro. A atuação do Banco Central, que ofertou moeda a R$ 2,288, estimulou ainda mais as vendas no final do pregão.

Valor Online |

Depois de ensaiar alta a R$ 2,332, o dólar comercial encerrou o dia com queda de 2,36%, negociado a R$ 2,273 na compra e R$ 2,275 na venda. O preço é o menor desde o dia 9 de janeiro.

Na roda de "pronto" da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), a moeda teve desvalorização de 2,32%, fechando também a R$ 2,275. O giro financeiro somou US$ 282,25 milhões, montante 46% maior que o observado ontem.

Segundo o diretor da Graco Corretora de Câmbio, Leandro Gomes, a formação da taxa de câmbio não escapou da forte melhora de humor externo que veio com a possibilidade de um plano de saneamento do balanço dos bancos norte-americanos. Com isso, o apetite por risco cresceu e levou os investidores a se desfazer de dólares. Vale lembrar que a moeda norte-americana não perdeu valor apenas ante o real, mas também caiu ante o euro e a libra.

Para o especialista, quebrada a barreira de R$ 2,30, a taxa deve seguir oscilando abaixo desse patamar. Na avaliação de Gomes, a tendência é de crescimento nos volumes de exportação, o que garante receita em dólar para o país. Além disso, não estão sendo observadas grandes remessas pela conta financeira.

Gomes aponta, também, que os agentes ainda assimilam a decisão do governo de exigir licença prévia para importação de boa parte dos produtos que entram no país. A preocupação, agora, é saber quem vai assumir os custos operacionais de tal medida.

Gomes também ressalta uma curiosidade no câmbio turismo. A demanda por euros para viagens ao exterior cresceu nas últimas semanas. A moeda comum européia é cada vez mais bem aceita nos países da Ásia.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG