Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar reduz alta após leilão e Bovespa sobe quase 2%

O dólar comercial reduziu as cotações do dia nesta tarde, quando foi negociado a R$ 2,358, após o leilão de venda de moeda do Banco Central e em sintonia com a ampliação dos ganhos da Bovespa. Ainda assim, a taxa era 0,68% superior à registrada no encerramento dos negócios ontem.

Agência Estado |

Às 16 horas, o dólar voltava a reforçar a alta, cotado a R$ 2,367 (+0,94%).

Segundo um operador de câmbio de uma instituição estrangeira, o dólar está operando em terreno positivo desde a abertura, pressionado pela alta externa da moeda norte-americana em meio à expectativa dos investidores sobre estudo da Casa Branca de opções para ajudar o setor automotivo dos EUA, após o fracasso nas negociações do Senado, ontem, sobre a proposta para aprovar um plano de auxílio às montadoras. A sinalização da Casa Branca às montadoras hoje trouxe esperança aos investidores, que voltaram a comprar ações amparando leve melhora das bolsas norte-americanas. O dólar no exterior também reduziu os ganhos ante o euro, que chegou a subir pela manhã até US$ 1,3417, mas à tarde recuava a US$ 1,3342 - de US$ 1,3367 ontem.

No mercado doméstico, o leilão do Banco Central e a fixação de uma taxa de corte na operação inferior ao valor do dólar no mercado à vista favoreceram a desaceleração da moeda norte-americana, afirmou a fonte.

Bolsa

A Bovespa renovou as máximas nesta tarde, alinhada à recuperação das bolsas em Wall Street, onde os negócios seguem à mercê do noticiário relacionado ao futuro das montadoras norte-americanas. Às 15h59, o Ibovespa, principal índice, subia 1,92%, aos 39.259,94 pontos, após bater máxima de 39.285 pontos (alta de 1,99%). O giro financeiro era de R$ 2,189 bilhões.

Em Nova York, o índice Dow Jones subia 0,70%; o Nasdaq, 1,79%; e o S&P500, 0,59%.

No caso do pregão local, de acordo com profissionais do mercado, amparavam uma reação mais forte a volta de investidores estrangeiros, o impacto da redução da queda do petróleo nas ações da Petrobras, o volume um pouco menor nesta sexta-feira e ainda as medidas de desoneração anunciadas ontem pelo governo brasileiro. Vale ainda citar que a segunda-feira terá vencimento de opções na Bolsa brasileira, o que adiciona volatilidade nos negócios hoje.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG