SÃO PAULO - A Gol divulgou que, no terceiro trimestre, perdeu R$ 225 milhões relativos à variação cambial e seus efeitos sobre suas dívidas de longo prazo em moeda estrangeira. Segundo a companhia, o dólar teve apreciação de 20% ante o real entre julho e setembro.

Essas perdas foram verificadas apesar dos instrumentos de hedge (proteção) cambial que a empresa tem, mas que asseguram principalmente a redução dos efeitos da variação sobre dívidas em dólar de curto e médio prazo. A Gol notou que, ao fim de setembro, tinha contratos de hedge cambial cobrindo 46%, 25% e 12% de suas dívidas em dólar previstas para pagamento no quarto trimestre de 2008, primeiro trimestre de 2009 e segundo trimestre de 2009, respectivamente.

Além desses contratos, a companhia tem ainda instrumentos de hedge de petróleo, usados para minimizar os efeitos da volatilidade dos preços dos combustíveis em sua operação. Ao fim de junho, a empresa tinha contratos que cobriam cerca de 55% e 19% de seu consumo previsto para o terceiro e o quarto trimestres deste ano, respectivamente. Os preços travados por esses contratos eram de US$ 132 e US$ 133 por barril de petróleo, respectivamente. A companhia informa ter liquidado esses contratos entre julho e setembro.

Com o ganho relativo aos instrumentos cambiais e a perda com os contratos de petróleo, a empresa acumulou no período uma perda líquida de R$ 48 milhões no período no resultado financeiro, sem contar o impacto negativo de longo prazo do câmbio em suas dívidas mais longas, mas que, segundo a Gol, não tem reflexo imediato sobre o caixa.

(José Sergio Osse | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.