Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar fecha em alta de 1,67%, cotado a R$ 2,371

O dólar acompanhou no Brasil a alta da moeda norte-americana no exterior, que foi sustentada pela busca de proteção pelos investidores. O sentimento de que o governo de Barack Obama não terá solução rápida para tirar os EUA da recessão nem para conter o aumento do desemprego no país amparou a migração de investidores no exterior para o dólar, disse um operador de uma instituição estrangeira.

Agência Estado |

O dólar comercial fechou com a maior cotação do dia, em alta de 1,67%, a R$ 2,371. Na BM&F, o dólar negociado à vista também subiu 1,67%, para R$ 2,371. O giro financeiro total foi fraco e somou cerca de US$ 1,641 bilhão.

Internamente, a queda de 1 ponto porcentual do Nível de Utilização da Capacidade Instalada da Indústria (Nuci) em novembro em relação a outubro, de 82,6% para 81,6% na série dessazonalizada, deu combustível para a divisão das apostas na curva de juros futuros entre um corte da Selic de 0,75 ponto porcentual e de 1 ponto porcentual. A decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central será anunciada amanhã. "O Nuci ruim após a perda de 654.946 empregos no País em dezembro e ainda a redução da taxa básica de juros pelo Banco Central do Canadá para 1%, a menor da história do país, podem servir de justificativa para um declínio mais agressivo da Selic este mês", disse a mesma fonte.

Se isso vier a ocorrer, ainda assim o mercado não acredita que poderá haver saídas significativas de recursos estrangeiros do Brasil, uma vez que o País ainda terá uma das taxas de juros mais altas do mundo. Hoje, o fluxo cambial foi muito pequeno e aparentemente negativo, segundo operadores consultados pela Agência Estado.

Durante a sessão, o Banco Central realizou dois leilões. Para a rolagem do vencimento de contratos de swap cambial em 2 de fevereiro de 2009, de US$ 10,2 bilhões, vendeu 49.660 contratos com três vencimentos, ou 92% da oferta total. O volume financeiro da operação somou US$ 2,461 bilhões. Na primeira etapa dessa rolagem, ontem, o BC vendeu o lote integral ofertado, de 51 mil contratos, equivalentes a US$ 2,514 bilhões.

Depois, a autoridade monetária realizou uma venda direta no mercado à vista de cerca de US$ 180 milhões, estimou um profissional de tesouraria de um grande banco local. A taxa de corte ficou em R$ 2,3578.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG