Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar fecha em alta de 0,31%, cotado a R$ 2,277

O dólar voltou a fechar em alta em relação ao real. A apreciação registrada hoje, de 0,31%, para R$ 2,277, foi a mesma tanto para o dólar comercial quanto para o dólar negociado à vista na BM&F.

Agência Estado |

A moeda americana oscilou entre a máxima de R$ 2,325 (alta de 2,42%) e a mínima de R$ 2,265 (queda de 0,22%). Convém lembrar que na semana passada o dólar comercial caiu 4,62%, interrompendo uma seqüência de quatro altas e de ganhos de mais de 10%.

O mercado cambial operou com liquidez inferior à registrada na sexta-feira, resultado de um fluxo cambial menor e negativo e da cautela com a persistente volatilidade das bolsas. O giro financeiro total à vista diminuiu 22%, para cerca de US$ 3,127 bilhões.

Hoje, novos dados no exterior alimentaram o pessimismo sobre a economia global, como a entrada do Japão em recessão, novas demissões no setor financeiro nos EUA e Europa, a revisão da produção industrial dos EUA em setembro de uma queda de 2,8% para uma retração de 3,7% - a maior já registrada desde fevereiro de 1946 -, e o recuo do índice de atividade industrial Empire State para -25,43 em novembro, nível recorde de baixa.

No mercado de moedas, o dólar caiu ante o euro e a libra. ÀS 15h58, a libra subia a US$ 1,50405, de US$ 1,4751 na sexta-feira; o euro avançava a US$ 1,2725, de US$ 1,2598 na sexta-feira; e o dólar estava estável, a 97,07 ienes. Nas Bolsas de Nova York, às 17h08, o índice Dow Jones caía 0,69%, o Nasdaq perdia 0,85% e o S&P500 caía 0,51%. Nesse horário, a Bovespa resistia em alta de 0,06%.

No mercado à vista de câmbio, o ajuste final do dólar refletiu um saldo negativo de fluxo cambial, tendo em vista que houve saída de recursos pela manhã e aparente ingresso à tarde. Essas remessas não teriam sido em volumes tão grandes, por isso, não chegaram a justificar a realização pelo BC um leilão de venda direta de moeda em mercado", observou o gerente de câmbio do Banif Investment Bank, Jairo Rezende. Segundo ele, o dólar devolveu momentaneamente a alta à tarde em sintonia com a melhora na Bovespa e a zeragem das operações de saídas de recursos, que pressionaram as cotações à vista pela manhã. Contudo, o movimento de alívio foi curto e, logo em seguida, o dólar voltou a subir.

A venda pelo BC de cerca de US$ 494 milhões em contratos de swap cambial no início da tarde ajudou ainda a aliviar a pressão inicial sobre o dólar à vista, afirmou Rezende.

No leilão, o BC vendeu a oferta integral de 10 mil contratos de swap cambial, com vencimento em 2 de fevereiro de 2009, equivalentes a um volume financeiro de US$ 494,6 milhões.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG