Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar encerra sequência de baixa subindo 2,10%, para R$ 2,284

SÃO PAULO - A decepção com as medidas para o setor financeiro norte-americano resultou em forte valorização no preço da moeda norte-americana, que tinha caído mais de 3,7% nas últimas cinco sessões. Em alta desde a abertura do pregão, o dólar fechou o dia a R$ 2,282 na compra e R$ 2,284 na venda, alta de 2,10%. Foi o maior ganho percentual diário desde o dia 8 de janeiro.

Valor Online |

Na roda de "pronto" da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), a moeda teve valorização de 1,92%, fechando a R$ 2,28. O giro financeiro somou US$ 289 milhões, 62% a mais do que observado ontem. No interbancário, o movimento passou de US$ 3,5 bilhões.

Mesmo com as compras se acentuando, o Banco Central continuou ausente do mercado de câmbio e não realizou seu leilão de venda à vista. A autoridade monetária anunciou que realizará amanhã leilão de dólares com contrapartida em contratos de financiamento ao comércio exterior.

Para o gestor da Precision Asset Management, Andre Schibuola, os investidores não gostaram do novo plano de ajuda aos bancos dos Estados Unidos e, pela movimentação nos mercados, venderam ações na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e compraram dólar para se proteger ou mesmo para remeter para fora do país.

Na avaliação do especialista, as medidas anunciadas pelo secretário do Tesouro, Thimothy Geithner, foram um grande engodo. "Era esperada uma coisa que não veio", diz Schibuola, em referência ao esperado "bad bank", instituição que concentraria os ativos podres que estão na carteira dos bancos.

"O problema é que até o momento não foi apresentado ao mercado nenhum pacote perene. Todos eles são sintomáticos e não profiláticos", resume.

Também foi aprovado hoje, pelos senadores dos Estados Unidos, o projeto de mais de US$ 800 bilhões para revitalizar a economia. No entanto, não houve reação no dólar nem nas bolsas. Para o gestor, tal evento já estava precificado.

Voltando ao câmbio, Schibuola prevê que o dólar continue oscilando entre R$ 2,25 a R$ 2,35, mas se o cenário externo piorar, e os R$ 2,35 forem rompidos, a moeda passa a buscar os R$ 2,5, já que a piora de humor resulta em maiores remessas de moeda.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG