O dólar recuperou-se parcialmente ante o euro, a libra e o iene hoje, num movimento que amparou a correção da moeda também frente ao real, após duas sessões em baixa. Com um fluxo de saída de dividendos bem menor do que o de ontem, os negócios no mercado à vista foram reduzidos e ficaram mais sensíveis à volatilidade externa da moeda norte-americana, afirmaram os operadores consultados.

O Banco Central fez dois leilões, mas vendeu apenas cerca de US$ 223,9 milhões, sendo cerca de US$ 123,9 milhões na rolagem de swap cambial e outros cerca de US$ 100 milhões no mercado à vista. Essas operações favoreceram a desaceleração dos ganhos à tarde. O dólar comercial fechou em alta de 0,47%, cotado a R$ 2,359. Na BM&F, o dólar negociado à vista subiu 0,34%, também para R$ 2,359. O giro financeiro total à vista diminuiu 53%, para cerca de US$ 2,539 bilhões.

As remessas de dividendos ao exterior prosseguiram, mas em volumes menores do que nos dias anteriores, disse um operador de uma corretora em São Paulo. Com um giro mais fraco nos mercados à vista e futuro, diminuiu o espaço para as operações de arbitragem e houve concentração de operações de giro. Com a retração do mercado, a atuação do BC também foi tímida, refletindo uma demanda contraída, afirmou a fonte.

No quinto leilão referente à rolagem do vencimento de US$ 9,6 bilhões de swaps cambiais em 2/1/2009, realizado hoje, o BC vendeu 2.500 contratos com dois vencimentos, num total de cerca de US$ 123,9 milhões, de uma oferta de até 24.300 contratos com três vencimentos, equivalentes a US$ 1,215 bilhões. Até agora, o BC já renovou US$ 8,537,9 bilhões desse vencimento, ou 88,94% do total.

No mercado internacional, o dólar encontrou suporte de alta no começo do dia na informação de que o presidente eleito Barack Obama está preparando um gigantesco pacote de estímulo econômico, estimado em cerca de US$ 850 bilhões, para dois anos. O pacote deve ser apresentado ao Congresso. À

Além disso, as preocupações com a recessão em alguns países europeus e o recuo dos preços do petróleo atraíram investidores para o dólar. O euro depreciou-se frente à moeda norte-americana em reação ao anúncio do Banco Central Europeu (BCE) de reduzir sua taxa de juro sobre os depósitos mantidos no BCE em uma tentativa de desestimular o influxo.

A libra esterlina também sofreu perdas diante de expectativas de outra redução de juro agressiva pelo Banco da Inglaterra (BoE). A taxa básica de juros britânica está em 2% ao ano. O euro está cada vez mais perto da paridade com a moeda britânica.

Em relação à moeda japonesa, o dólar subiu depois que o ministro das Finanças do Japão, Soichi Nakagawa, disse que a intervenção no câmbio é uma opção, mas não comentou se o governo irá utilizá-la.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.