Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar dispara mais de 4% e fecha a R$ 1,943; BC intervirá no mercado

SÃO PAULO - Depois de um pregão marcado por rumores de forte saída de recursos do país e sinais de ação especulativa de bancos e tesourarias, o dólar registrou o maior ganho diário ante o real em mais de dois anos. Ao final do pregão, a divisa apontava alta de 4,01%, negociada R$ 1,941 na compra e R$ 1,943 na venda.

Valor Online |

Essa foi a maior valorização percentual diárias desde 24 de maio de 2006, quando a divisa estrangeira ganhou 4,71%.

Na roda de "pronto" da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM & F) a moeda fechou com alta de 3,71%, valendo R$ 1,930. O volume financeiro somou US$ 696 milhões, o triplo do registrado ontem. O giro interbancário passou de US$ 5 bilhões, cerca de 40% maior do que o registrado na quarta-feira.

Durante o momento de maior incerteza do dia, o dólar chegou a subir mais de 5%, batendo R$ 1,963 na máxima. Pouco depois disso já corria pelo mercado que o Banco Central interviria no mercado, provendo liquidez.

"O BC fez o que o mercado estava implorando para ele fazer", avalia o gerente e câmbio da Treviso Corretora de Câmbio, Reginaldo Galhardo.

O Banco Central vai prover liquidez ofertando moeda no mercado à vista e comprando no futuro. Essa operação é conhecida como leilão com compromisso de recompra. Segundo Galhardo, a lógica é mesma dos contratos de swap.

Pelo que corre no mercado, as condições da operação, como prazo e tamanho dos lotes, serão apresentadas ainda hoje e o leilão deve acontecer amanhã.

Com esse tipo de transação o BC não altera o preço da divisa, mas tenta reduzir a distorção na formação da taxa à vista, que ela já estava igual ou maior do que aquela praticada no mercado futuro.

"Esse é o momento propício para utilizar as reservas de US$ 200 bilhões", resume Galhardo, acreditando que amanhã a mercado de câmbio deve esta mais calmo.

Ainda de acordo com especialista, sempre tem um componente de fluxo na formação da taxa em dias como o de hoje, mas a grande parte da valorização foi gerada na BM & F, onde os investidores conseguem movimentar muito mais dinheiro com maior facilidade. "O investidor mantém uma posição comprada para se resguardar da situação."
"(Eduardo Campos | Valor Online)"

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG